VOTE ON THIS SITE

Thursday, June 30, 2011

The Beatles: Rock Band Comercial/The Beatles: Rock Band Commercial Spot


Lançado em 09.09.09:



Não importa o que você pensa sobre os Beatles, ou o que você acha do Rock Band, ou se você acredita que videogames derretem o seu cérebro em um tipo de sorvete delicioso (marca americana), que eles fazem, e é realmente muito saboroso - este local promo para The Beatles: Rock Band é simplesmente um dos melhores curtas-metragens animados que já vi em um longo, longo tempo. Que deveria ser nomeado para alguma coisa, é tão unico o maldito. Julgue por si mesmo.

 Don't care what you think about the Beatles, or what you think of Rock Band, or if you believe that videogames melt your brain in a deliciously Coldstone Creamery kind of way (which they totally do, and is actually very tasty) — this promo spot for The Beatles: Rock Band is simply one of the best animated short films I've seen in a long, long time. It ought a get nominated for something, it's so damned spiffy. Judge for yourself.

ZoomBeatles



O Show do ZoomBeatles, Especial "Paul McCartney", do dia 23 de Junho no Café Piu-Piu, foi recorde de bilheteria com 700 pessoas. Um sucesso para a casa.

Para àqueles que perderam ou não puderam comparecer haverá um próximo Show em Julho em homenagem a Richard Starkey, o próximo a vir ao Brasil em turnê em Novembro de 2011.

Não percam...

Café Piu Piu - 22h (ESPECIAL RINGO STARR)
Rua 13 de Maio, 134, Bairro do Bixiga - São Paulo
inf.: (11) 3258-8066
www.cafepiupiu.com.br 

George Martin recebe seu diploma honorário/George Martin receives his honorary degree


O homem por trás dos Beatles, ontem provou a longa e sinuosa estrada tinha valido a pena.

Sir George Martin, 85 anos, conhecido como o "quinto Beatle", foi premiado com um diploma honorário da Universidade de Oxford.

Ele produziu todos ,exceto um, dos álbuns originais dos Beatles , incluindo os Beatles, Help! e Sgt Pepper Lonely Hearts Club Band.

Sir George, que mora em Faringdon, estava entre as oito pessoas homenageadas na cerimônia de aniversário de fundação da Universidade de Oxford, no Teatro Sheldonian.

Sir George disse: "Estou muito feliz por receber este prêmio. Eu tenho a sorte de trabalhar com colaboradores brilhantes de muitos campos da música e das artes. "

Ativistas de direitos animais demonstraram fora do teatro, cantando durante toda a cerimônia.

Cerimônia de Aniversário da fundação, já atraiu protestos de ativistas irritados com a construção de um laboratório em South Parks Road.

Outros dignitários que recebem um diploma honorário: presidente italiano Giorgio Napolitano e Juiz do tribunal Sul-Africano, Edwin Cameron.

THE man behind The Beatles yesterday proved the long and winding road had all been worth it.

Sir George Martin, 85, known as the “fifth Beatle”, was awarded an honorary degree from Oxford University.

He produced all but one of The Beatles’ original albums, including The Beatles, Help! and Sgt Pepper’s Lonely Hearts Club Band.

Sir George, who lives in Faringdon, was among eight people recognised in the Oxford University Encaenia ceremony at the Sheldonian Theatre.

Sir George said: “I’m delighted to receive this accolade. I’ve been lucky enough to work with brilliant collaborators from many fields of music and the arts.”

Animal rights activists demonstrated outside the theatre, chanting throughout the ceremony.

Encaenia ceremonies have previously attracted protests from campaigners angry at the building of a laboratory in South Parks Road.

Other dignitaries receiving an honorary degree included Italian president Giorgio Napolitano and justice of the South African court, Edwin Cameron.

Wednesday, June 29, 2011

AGORA É PRA VALER.../ NOW IT'S TRUE...

Ringo Starr anuncia sete shows no Brasil em novembro


ANUNCIANDO BRASIL!
DateCityVenueTickets/VIP Packages
10 Nov Porto AlegreGigantinhoTBA
12 Nov Sao PauloCredicard HallTBA
13 Nov Sao PauloCredicard HallTBA
15 Nov Rio De JaneiroChevrolet HallTBA
16 Nov Belo HorizonteCitibank HallTBA
18 Nov BrasiliaConvention HallTBA
20 Nov RecifeChevrolet HallTBA

Fonte: http://www.ringostarr.com/

Depois de Paul McCartney fazer show no Brasil, agora é a vez do ex-baterista dos Beatles, Ringo Starr, se apresentar no País. Ontem, a produtora Time For Fun anunciou que o baterista fará shows em Porto Alegre (10 de novembro), São Paulo (12 e 13), Rio de Janeiro (15), Belo Horizonte (16), Brasília (18) e Recife (20). A apresentação na capital paulista será no Credicard Hall. Clientes Credicard, Citibank e Diners poderão comprar os ingressos em pré-venda, entre os dias 11 e 17 de julho. A partir do dia 18, as vendas estarão abertas ao restante do público. Os ingressos podem ser comprados pelo 4003-5588 (válido para todo o País) ou pelo site www.ticketsforfun.com.br. Os preços ainda não foram divulgados.

O baterista virá acompanhado da All Starr Band, uma banda composta por grandes músicos convidados por Ringo que tocam as canções dos Beatles e também composições próprias. Já fizeram parte desta banda músicos como Joe Walsh, Peter Frampton, Paul Carrack, entre outros.

No Brasil, acompanharão Ringo os músicos Rick Derringer (guitarra e vocal), Richard Page (baixo e vocal), Wally Palmar (gaita e guitarra base), Edgar Winter (teclado), Gary Wright (DJ) e Gregg Bissonette (bateria).

O repertório deverá privilegiar, principalmente, as canções que Ringo interpretava com os Beatles, como é o caso de "With a Little Help
From My Friends", "Yellow Submarine", "Don't Pass me By" e "Octupus Garden", além de composições de sua carreira solo, como "It Don't Come Easy", "Photograph", "Back Off Boogaloo", "You're 16" (You're Beautiful And You're Mine) e "The No No Song". Esta será a primeira vez que Ringo Starr fará shows no Brasil.

Tuesday, June 28, 2011

Anunciado o Ganhador da Competição ‘Maybe I’m Amazed’/ Competition Winner Announced"/ ‘Maybe I’m Amazed’ Competition Winner Announced


O vencedor da competição 'Maybe I’m Amazed Covers"é" Troubleclief ", que com sua versão de guitarra clássica bonita da música, recebeu um notável 1492 likes de seu vídeo.

Estávamos todos espantados com a qualidade de todas as entradas, mas considerou que entrada de "Troubleclief' se destacou do resto da maneira que ele fez a música própria e ainda manteve a essência do original. Gostaríamos de dar um enorme parabéns  a 'Troubleclief' por capturar nossa atenção e ganhar a competição.


The Winner of the ‘Maybe I’m Amazed Covers’ Competition is ‘Troubleclief’ who with his beautiful classical guitar version of the song, received a remarkable 1492 likes for his video.

We were all astounded at the quality of all of the entries but felt that ‘Troubleclief’s’ entry stood out from the rest in the way that he made the song his own and yet retained the essence of the original. We would like to give a a huge congratulations to ‘Troubleclief’ for capturing our attention and winning the competition.

Source:http://www.paulmccartney.com/

Foto Especial; "Linda McCartney: Galeria do Life In Fotographs, Abre Em Nova York!/Photo Special; 'Linda McCartney: Life In Photographs' Gallery Opens In NYC!


Paul participou da abertura de 'Linda McCartney: Life In Photographs "exposição fotográfica no Benrubi Bonni galeria em Nova York na semana passada. PM.com traz para você algumas fotos surpreendentes da noite com Paul e os amigos olhando para o trabalho incrível de Linda.

Galeria perfil Times:
Bonni Benrubi Galeria
41 East 57th Street 13th Floor New York, NY 10022-BonniBenrubi.com - perfil: junho julho 02-29
Phillips de Pury & Company
Howick Coloque London SW1P 1BB - phillipsdepury.com-perfil: 07 de junho - 16 de junho

Paul attended the opening of 'Linda McCartney: Life In Photographs' photographic exhibition at the Bonni Benrubi gallery in New York last weekend. PM.com brings you some amazing photos from the night with Paul and friends looking at Linda's amazing work.

Gallery Viewing Times:
Bonni Benrubi Gallery
41 East 57th Street 13th Floor New York, NY 10022 -
BonniBenrubi.com
- Viewing: 2nd June – 29th July
Phillips de Pury & Company
Howick Place London SW1P 1BB -
phillipsdepury.com
- Viewing: 7th June – 16th June Source: wwww.paulmccartney.com

Sunday, June 26, 2011

Exibição dos Beatles recebe um reboot no Rock and Roll Hall of Fame and Museum: De perto /Beatles exhibit gets a reboot at Rock and Roll Hall of Fame and Museum: Close Up


Como parte de um redesign em curso, o Rock and Roll Hall of Fame e Museu revelou recentemente uma renovada exposição dos Beatles.

Entre os principais artefatos em exibição, pela primeira vez na sala de exposições, estão um casaco de lã preto que John Lennon usava no filme "Help!" e um arranjo manuscrito de Paul McCartney para "Birthday".

Também não dá pra perder: uma jaqueta de couro que Lennon usava quando os rapazes de Liverpool foram aprimorando suas costeletas em Hamburgo, na Alemanha, na década de 1960, o Mellotron que McCartney tocou em "Strawberry Fields Forever" e um par de ingressos para o concerto dos Beatles de 14 de agosto de 1965, no antigo Estádio Municipal de Cleveland - 5,50 dólares por um grande lugar pra sentar!




As part of an ongoing redesign, the Rock and Roll Hall of Fame and Museum recently unveiled a revamped Beatles exhibit.

Among the artifacts on view for the first time in the main exhibition hall are a black wool coat that John Lennon wore in the film “Help!” and Paul McCartney’s handwritten arrangement for “Birthday.”

Also not to be missed: a leather jacket that Lennon wore when the Liverpool lads were honing their chops in Hamburg, Germany, in the early 1960s, the Mellotron that McCartney played on “Strawberry Fields Forever” and a pair of tickets to the Fab Four’s concert Aug. 14, 1965, at the old Cleveland Municipal Stadium -- $5.50 a pop for upper-box seats!

Friday, June 24, 2011

Competição encerrada/ Competicion closed


Image:http://www.paulmccartney.com
A rodada final de votação para a competição do 'Maybe I'm amzed' Covers " terminou e estamos ocupados trabalhando na apresentação ganhou o prêmio de luxo.

Nós gostaríamos de passar um enorme OBRIGADO a todos que ou submeteram um vídeo ou tiveram tempo para apreciar uma das apresentações. A competição foi um sucesso fenomenal e nós tivemos mais de 160 entradas!

O vencedor será anunciado na terça-feira 28 de junho às quatro horas da tarde.

Você ainda pode visualizar todas as entradas, clicando aqui.
The final round of voting for the ‘Maybe I’m Amazed Covers Competition’ has now ended and we are busy working out which submission has won the deluxe prize.

We would like to pass on a massive THANK YOU to everyone who either submitted a video or took the time to like one of the submissions. The competition has been a phenomenal success and we had over 160 entries!

The winner will be announced on Tuesday 28th June at 4pm.

You can still view all the entries by
clicking here.
Source:http://www.paulmccartney.com/

Competição de ‘Maybe I’m Amazed’ Covers acaba logo/‘Maybe I’m Amazed’ Covers Competition Ends Soon

A competição para encontrar a melhor cover de Paul McCartney "Maybe I'm amazed" no YouTube já recebeu dezenas de entradas. O vídeo com maior preferência nesta quinta-feira (23 de junho) será o vencedor do concurso.
Ao lançar o concurso no mês passado, um post no site oficial do ex-membro dos Beatles ter a seguinte redação: "Se você é um guitarrista em tempo parcial, um crooner de karaoke ou um criador de música séria em uma banda, todos são bem-vindos! Apenas grave um filme seja cover da faixa de Paul "Maybe I'm amazed" [e] faça o upload para o YouTube. "

Bem, o concurso deu origem a uma infinidade de amplas coberturas de sintonia Macca está fora o seu álbum de estréia reeditado recentemente solo, "McCartney". Cheque-os todos aqui, e vote no seu favorito.

Enquanto isso, acrescentou McCartney adicionou segundos shows a seus concertos Montreal e Chicago. As novas datas são 27 jul no Bell Centre de Montreal e 01 de agosto em Chicago no Estádio Wrigley.

A competition to find the best cover of Paul McCartney‘s ‘Maybe I’m Amazed’ on YouTube has garnered dozens of entries. The video with the most likes by this Thursday (June 23) will be the winner of the contest.
In launching the contest last month, a post on the former Beatles member’s official site read as follows: “Whether you’re a part-time guitar twiddler, a karaoke crooner or a serious music maker in a band, all are welcome! Just film your cover of Paul’s track ‘Maybe I’m Amazed’ [and] upload it to YouTube.”
Well, the contest has spawned a plethora of wide-ranging covers of Macca’s tune off his recently reissued debut solo album, ‘McCartney.’ Check them all out here, and vote for your favorite.
Meanwhile, McCartney has added second shows to his recently announced concerts in Montreal and Chicago. The new dates are July 27 at Montreal’s Bell Centre and Aug. 1 at Chicago’s Wrigley Field.

Show da Banda BeatBox no TonTon


Se você vai ficar em Sampa no fim de semana e gosta de Pop Rock???
Curta esta dica.


TONTON JAZZ MUSIC & BAR
Alameda dos Pamaris, 55 - Moema - São Paulo - SP
Informações: 3804-0856 / 3804-0857 / 3804-0858 / 5044-7239
Estacionamento com manobrista / Ar condicionado / Acesso para deficientes físicos

Ganhe ingressos pra ver Paul McCartney em Chicago/ Win Tickets to See Paul McCartney in Chicago


Paul McCartney voltará a pegar a estrada neste verão, o que provocou alegria através das gerações de cantantes em estádios da América do Norte. McCartney, que é conhecido por interpretar um concerto épico de três horas de pesados hits de cada época de sua lendária carreira, trará sua turnê On the Run para o Wrigley Park de Chicago (como já noticiei anteriormente) em 31 de julho e 01 de agosto.

Dois sortudos leitores da Rolling Stone podem ter uma chance de ganhar para assistir ao show de 31 de julho, junto com passagem aérea para Chicago, duas noites em um hotel e um 200 dólares de presente da American Express. Tudo que você precisa fazer para entrar é preencher o formulário abaixo até04 de julho. Veja aqui as regras oficiais.


Source:http://www.rollingstone.com/
Paul McCartney will once again hit the road this summer, sparking joyful cross-generational sing-alongs at ballparks across North America. McCartney, who is known for playing epic three-hour concerts heavy on hits from every era of his legendary career, will bring his On the Run tour to Chicago's Wrigley Park on July 31st and August 1st.

Two lucky Rolling Stone readers can win a chance to attend the July 31st gig, along with airfare to Chicago, two nights at a hotel and a $200 American Express gift certificate. All you need to do to enter is to fill out the form below by July 4th. See official rules
here.

Um casamento feliz entre a música e a cultura/ A happy marriage of music and culture


Contribuindo o editor da Rolling Stone David Browne postula que os álbuns podem refletir o nosso tempo muito mais que um jornal. Ele faz um bom trabalho mostrando seu ponto de vista em seu livro novo e intrigante.

Browne entrou em sua adolescência a partir de 1970 deu uma guinada para fora da tumultuada década de 1960, e ele escreve sobre a música que ele amava naquela época. Os álbuns que ele escolheu para apoiar seu argumento:Bridge Over Troubled Water de Simon & Garfunkel, Crosby, Stills, Déjà vu de Nash & Young , "Let It Be" dos Beatles e Sweet Baby de James Taylor James. Como uma cápsula do tempo, esses discos espelham as mudanças sociais acontecendo fora dos estúdios em que elas foram feitas, assim como as suas próprias guerras travada uns contra os outros. Em 1970, "dois desses grupos se desfizeram, uma alcançou a massa crítica cultural e também entrou em colapso, e outro rompeu um novo nível de aceitação em massa".

Browne justapõe a desarmonia crescente dentro CSNY com o ano turbulento do julgamento de Charles Manson, atentados terroristas da homegrown, polarizando a Presidência de Nixon e chavões como recessão e inflação. "Algo sobre Déjà vu - a sensação de fragilidade em 4 +20 e Helpless, a paranóia podre de Almost Cut My Hair, o desejo de escapar disso tudo em nossa casa - resumiu o Estado Americano pós-Kent. As nuvens negras que pairavam sobre o álbum, os resultados dos relacionamentos pessoais da banda e o tumulto emocional, também bateu em algo maior e além de seu controle. "

Parte do material dos Beatles, Browne obedientemente revive está desgastada; abundância do que já foi escrito sobre a 'separação dos Beatles'. Embora Browne ganhe glória pelo rastreamento dos papéis legais do processo de Paul McCartney ,arquivado em 31 de dezembro de 1970, para dissolver o quarteto, ele é mais cativante quando lembra os leitores de como o desenrolar Simon & Garfunkel refletiu o humor de 1970. Em um ano de reflexão, as normas dae pop melódica - Let It Be, We Only Just Begun,The Long and Winding Road, Your Song, Ain't No Mountain High Enough, Big Yellow Taxi and Fire and Rain - nenhum era maior do que a Canção vencedora do Grammy e Gravação do Ano Bridge Over Troubled Water. Enquanto o principal álbum voou para fora das livrarias da faculdade e serviu como um bálsamo em uma nação cansada à procura de calma, a música rude após o festival de música de Altamont em 1969, seu compositor silenciosamente ministrou um curso de composição na New York University.

Assim também fez a música de Taylor que ofereceu um colchão confortável contra o aspecto áspero dos tempos. O segundo single de seu álbum Sweet Baby James, Fire and Rain, levaria quase todo o ano para se tornar um sucesso, mas a ascensão de Taylor em breve inauguraria o confessionário da época soft rock da primeira metade da década. Inicialmente tímido Taylor, aparentemente era uma pessoa cheia de defeitos em 1970 (provavelmente um resultado da boa quantidade de heroína que ele consumia), reflete a confusão da transição 1970, Browne escreveu: "Eu não pude resistir em revisitar um momento em que a música docemente cantada e o tempos horrível coexistiram, alimentaram um ao outro, em um mundo forado curso. "

Browne dá detalhes o suficiente sobre os acontecimentos que assolam o país, como os tiroteios no Estado de Kent que levou à expedição oportuna de Neil Young, Ohio, para CSNY, para tornar o trabalho de seu livro tese. Ele deixa mais contas concretizadas da história dos EUA na estratégia do Vietnã e  o julgamento de Manson resultado das outras.

No entanto, seu vívido relato do bombardeio de março de Nova York em 18 de brownstone West St. 11 por radicais da homegrown atordoa os leitores com a brutalidade que existia, apesar da amável "You've got a friend" estilo de melodia para preencher rádio AM. Como o ator Dustin Hoffman ficou agarrando pertences recuperados de seu apartamento ao lado, "Uma pá de poder grande de limpeza de detritos para fora do porão pegou um corpo com as duas mãos que faltam, uma perna, e uma cabeça mutilada, pregos salientes para fora da carne do dorso. "

Fire and Rain funciona como uma aula de história, mas é tudo uma apreciação do fã de música de ritmo acelerado, do brilho de artistas daquela época. Talvez apenas Paul Simon, 70 este ano, continue a ser o mais consistentemente criativo; seu novo álbum, So Beautiful ou So What rivalize com sua obra de 1970. Talvez em um livro posterior Browne possa escrever sobre como Simon captura preocupações da sua geração em 2011, assim como ele fez 41 anos atrás. Espera-se que esse livro seja poderoso. Mas, por agora, Fire and Rain obrigam a observações astutas.

Contributing Rolling Stone editor David Browne posits that albums can reflect our times much like a newspaper. He does a fine job proving his point in his intriguing new book.

Browne entered his teens after 1970 lurched out of the tumultuous 1960s, and he writes about the music he loved back then. The albums he chose to support his argument: Simon & Garfunkel’s Bridge Over Troubled Water, Crosby, Stills, Nash & Young’s Déjà vu, the Beatles’ Let It Be and James Taylor’s Sweet Baby James. Like a time capsule, these albums mirrored the social changes happening outside of the studios in which they were made, even as the musicians waged their own wars against one another. In 1970, “two of those groups fell apart, one achieved critical cultural mass and also collapsed, and another broke through to a new level of mass acceptance.”

Browne juxtaposes the growing disharmony within CSNY with the turbulent year of Charles Manson’s trial, homegrown terrorist bombings, Nixon’s polarizing presidency and buzzwords like recession and inflation. “Something about Déjà vu — the sense of frailty in 4+20 and Helpless, the addled paranoia of Almost Cut My Hair, the urge to escape it all in Our House — summed up post-Kent State America. The dark clouds that hovered over the album, the results of the band’s own personal relationships and emotional tumult, also tapped into something larger and beyond their control.”

Some of the Beatles material Browne dutifully revives feels shopworn; plenty has already been written about the Beatles’ breakup. While Browne earns kudos for tracking down the legal court papers Paul McCartney filed on Dec. 31, 1970, to dissolve the foursome, he’s more captivating when he reminds readers of how the unraveling Simon & Garfunkel reflected the mood of 1970. In a year of reflective, tuneful pop standards — Let It Be, We’ve Only Just Begun, The Long and Winding Road, Your Song, Ain’t No Mountain High Enough, Big Yellow Taxi and Fire and Rain — none loomed larger than the Grammy-winning Song and Record of the Year Bridge Over Troubled Water. While its parent album flew out of college bookstores and served as a balm on a weary nation looking for quiet, homespun music after the ugly Altamont music festival in 1969, its composer quietly taught a songwriting course at New York University.

So too did Taylor’s music offer a cushy mattress against the rougher aspect of the times. The second single from his Sweet Baby James album, Fire and Rain, would take almost the entire year to become a hit, but Taylor’s ascension would soon usher in the confessional, soft rock epoch of the decade’s first half. Taylor’s initially shy, seemingly addled persona in 1970 (probably a result of the hefty amount of heroin he consumed), reflected the confusion of the transitional 1970, Browne writes: “I couldn’t resist revisiting a moment when sweetly sung music and ugly times coexisted, even fed off each other, in a world gone off course.”

Browne gives just enough detail on the events plaguing the country, like the Kent State shootings that led to Neil Young’s timely dispatch, Ohio, for CSNY, to make his book’s thesis work. He leaves more fleshed-out accounts of U.S. history on Vietnam strategy and the Manson trial outcome to others.

Yet his vivid account of the March bombing of a New York brownstone on 18 West 11th St. by homegrown radicals stuns readers with the brutality that existed despite the amiable “you’ve got a friend”-styled tunes populating AM radio. As actor Dustin Hoffman stood clutching belongings he salvaged from his adjacent apartment, “A large power shovel cleaning debris out of the basement scooped up a body with two missing hands, one leg, and a mangled head, nails jutting out of the torso’s flesh.”

Fire and Rain works as a history lesson but is foremost a fast-paced music fan’s appreciation of the brilliance of that era’s artists. Perhaps only Paul Simon, 70 this year, remains the most consistently creative; his new album, So Beautiful or So What rivals his 1970 work. Maybe in a later book Browne can write about how Simon captures his generation’s concerns in 2011 as well as he did 41 years ago. One hopes that that book will prove as potent. But for now, Fire and Rain’s astute observations compel.
Source:
http://www.miamiherald.com

Thursday, June 23, 2011

Viúva de Beatle comemora o primeiro Dia Internacional das Viúvas das Nações Unidas com mostra de arte/Beatles widow celebrates first UN Int'l Widows Day with art show

Image:http://imaginepeace.com/

A viúva do Beatle John Lennon, Yoko Ono inaugurou uma exposição de arte quarta-feira para marcar o primeiro Dia Internacional das Viúvas designado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O Dia Internacional das Viúvas, que cai em 23 de junho, foi lançado pela Fundação Loomba em 2005, que fez campanha para o reconhecimento da ONU pelo dia.

Ono, uma artista japonesa e ativista da paz, exibiu uma extensão do seu projeto em curso online intitulado "My Mommy Is Beautiful" ("Minha mamãe é linda"), uma homenagem às mulheres e mães de todo o mundo.

"As mães são as heroínas das famílias, mas em muitas sociedades mães viúvas não têm voz e não são valorizados como seres humanos", Ono disse na cerimônia, ressaltando que ela sabe a dor de perder uma "alma gêmea".

Ono disse que a grande maioria das viúvas no mundo levam uma existência precária.

Ela também falou sobre o valor das Nações Unidas como uma instituição que é necessária agora mais do que nunca porque "nos permite expressar e comunicar a verdade."

Cherie Blair, esposa do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair e presidente da Fundação Loomba, a principal ONG dedicada aos direitos das viúvas, disse no evento que "há poucos recursos disponíveis no mundo para ajudar as viúvas alcançar uma mais segura e confortável existência, para promover a sua igualdade, e perseguir a justiça em seu nome. "

A exposição reconhece como viúvas são marginalizadas, que é "o primeiro passo para aliviar o sofrimento enfrentado por muitas mulheres nesse grupo esquecido", disse Blair.

Mais de  245 milhões viúvas em todo o mundo e mais de 500 milhões de crianças de viúvas sofrem de doenças, violência e outras crises, e mais de 100 milhões de viúvas vivem na pobreza, segundo a Fundação Loomba.
Beatles star John Lennon's widow Yoko Ono inaugurated an art exhibition Wednesday to mark the first International Widows Day designated by the United Nations (UN).

The International Widows Day, which falls on June 23, was launched by the Loomba Foundation in 2005, which campaigned for the UN's recognition of that day.

Ono, a Japanese artist and peace activist, exhibited an extension of her ongoing online project titled "My Mommy Is Beautiful," a tribute to women and mothers around the world.

"Mothers are the heroes of families, but in many societies widowed mothers have no voice and are not valued as human beings," Ono said at the ceremony, noting she knows the pain of losing "a soul mate."

Ono said that the vast majority of widows in the world lead an insecure existence.

She also touched on the value of the United Nations as an institution that is now needed more than ever because it "allows us to express and communicate truth."

Cherie Blair, wife of former British Prime Minister Tony Blair and president of the Loomba Foundation, a leading NGO dedicated to widows' rights, said at the event that "there are few resources in the world available to help widows achieve a safer and more comfortable existence, to promote their equality, and to pursue justice on their behalf."

The exhibition recognizes how widows are marginalized, which is "the first step in alleviating the plight faced by many women in this forgotten group," Blair said.

Some 245 million widows worldwide and more than 500 million children of widows suffer from diseases, violence and other crises, and more than 100 million widows live in poverty, according to the Loomba Foundation.


Source:http://www.chinadaily.com.cn

Wednesday, June 22, 2011

Paul McCartney indicado a melhor cantor de show ao vivo/Paul McCartney nominated for Best UK Live Act in new online poll


Paul McCartney tem a melhor apresentação ao vivo do Reino Unido? Ele é um dos 30 candidatos para esse título em uma pesquisa online, começando pelo  Britanico Nordoff Robbins. Outros indicados incluem Green Day, Muse, Jay-Z, Bon Jovi, Korn, Pink e Black Eyed Peas.

Você não tem que viver no Reino Unido para votar, mas apenas os residentes do Reino Unido podem ganhar uma variedade de prêmios da competição ligada à pesquisa. Os prêmios incluem dois bilhetes para a premiação ao vivo.

O artista vencedor será anunciado por Geoff Lloyd, apresentador do show da Rádio Absolute "Hometime", na Nordoff Robbins Silver Clef Awards em Londres a 01 de julho. A lista de indicados foi elaborada com base em opiniões dos clientes de shows  ao vivo dos últimos 12 meses pela Ticketmaster do Reino Unido. Outro prêmio dos patrocinadores também incluem 2011 O2 Silver Clef Awards, Absolute Radio, o jornal Evening Standard e Arena O2 de Londres.

Vote Você também...


Is Paul McCartney's the UK's best live act? He's one of 30 contenders up for that title in an online poll just begun by British music therapy charity Nordoff Robbins. Other nominees include Green Day, Muse, Jay-Z, Bon Jovi, Korn, P!nk and the Black Eyed Peas.
You don't have to live in the UK to vote, but only UK residents can win an assortment of prizes being given away in a contest connected to the poll. The prizes include two tickets to the live awards.

The winning artist will be announced by Geoff Lloyd, host of Absolute Radio's "Hometime" show, at the Nordoff Robbins O2 Silver Clef Awards in London July 1. The list of nominees was drawn up based on customer reviews of live music shows from the last 12 months by Ticketmaster UK. Other award sponsors also include the 2011 O2 Silver Clef Awards, Absolute Radio, the UK Evening Standard newspaper and London's O2 Arena.
 Source:www.examiner.com

Tuesday, June 21, 2011

ADVOGADOS DE MCCARTNEY BLOQUEIAM A VENDA DOS CARTOONS/MCCARTNEY'S LAWYERS BLOCK CARTOON SALE


As charges foram criadas pela Let It Be hitmaker na década de 1970 quando ele estava trabalhando em um filme semi-animado, The Bruce Show McMouse.

Eles deveriam ter ido a leilão na quinta-feira (16 Jun 2011), mas os advogados que representam a estrela entrou em cena na última hora, alegando que os desenhos ainda pertencem à McCartney.

A vendedora Maggie Thornton é a filha do falecido animador Eric Wylam está convencida de que seu pai recebeu as fotos do cantor quase 40 anos atrás.

Ela diz: "Meu pai recebeu uma pilha de rascunhos de papel com esboços e eu sempre acreditei que pertencia ao meu pai."

Mas leiloeiro Chris Albury, que deveria supervisionar a venda, conta a BBC, "Os advogados dizem que são ainda a propriedade de Paul McCartney como o filme foi feito por sua empresa MPL Communications. Como tal qualquer trabalho feito por Paul ou a equipe de trabalho sobre o filme deveria ter sido devolvido a MPL ou ao Paul ao final de sua utilização. Mas isso é contrário ao que Maggie acredita e do que seu pai sempre disse a ela.

"Já em março, foram enviados e-mails, cartas e scans de todas as imagens (para os advogados de McCartney) explicando de onde eles vêm e perguntando se havia alguma boa razão para que eles não fossem vendidos e não ouvimos nada. "

As caricaturas deveriam ser vendidas por cerca de £ 25.000.

The cartoons were created by the Let It Be hitmaker in the 1970s when he was working on a semi-animated film, The Bruce McMouse Show.

They were due to go up for auction on Thursday (16Jun11) but lawyers representing the star stepped in at the eleventh hour, arguing the drawings still belong to McCartney.

Seller Maggie Thornton is the daughter of late animator Eric Wylam, and is adamant her father was given the pictures by the rocker almost 40 years ago.

She says, "My father was given a pile of scrap paper covered in rough drawings and I always believed they belonged to my father."

But auctioneer Chris Albury, who was due to oversee the sale, tells the BBC, "The lawyers say they're still Paul McCartney's property as the film was made by his company MPL Communications. As such any work done by Paul or the team working on the film should have been returned to MPL or Paul at the end of its usage. But this is contrary to what Maggie believes and what her father always told her.

"As far back as March we were emailing, writing and sending scans of all the images (to McCartney's lawyers) explaining where they'd come from and asking whether there was any good reason why they shouldn't be sold and we heard nothing."

The cartoons were expected to sell for around £25,000.

Tributo aos Beatles deixa Broadway em Setembro, após quase um ano/ Beatles tribute band ‘Rain’ to leave Broadway in September after almost a year


É hora de dizer adeus à banda cover do Fab Four na Broadway depois de uma "longa e sinuosa estrada".

"Rain: A Tribute to The Beatles on Broadway" desempenhará sua apresentação final em 04 de setembro no Teatro Brooks Atkinson.

O show é um concerto estendido dos Beatles com reproduções quase perfeitas de "Night A Hard Day, o"''Yesterday", ''Eleanor Rigby" e "Strawberry Fields", entre muitos outros.

Originalmente concebida como um temporada de 13 semanas, o espetáculo estreou no Teatro Neil Simon, em outubro, recuperou seu investimento de US $ 2 milhões em sete semanas, ampliou e mudou-se para o menor Brooks Atkinson, em fevereiro.

Mas está lutando nas bilheterias. Na semana passada, levou $263.000 dólares a partir de um potencial $ 904 mil.

A turnê nos EUA está em cartaz.


It’s time to say goodbye to the Fab Four cover band on Broadway after a long and winding road.

“Rain: A Tribute to the Beatles on Broadway” will play its final performance Sept. 4 at the Brooks Atkinson Theatre.

The show is an extended Beatles concert with near-perfect reproductions of “Hard Day’s Night,” ‘’Yesterday,” ‘’Eleanor Rigby” and “Strawberry Fields,” among many others.

Originally intended as a 13-week stand, the show opened at the Neil Simon Theatre in October, recouped its $2 million investment in seven weeks, extended and moved into the smaller Brooks Atkinson in February.

But it has been struggling at the box office. Last week, it took in $263,000 from a potential $904,000.

A U.S. tour is under way.

Monday, June 20, 2011

Art Garfunkel diz que John Lennon falou sobre uma reunião com Paul McCartney/Art Garfunkel says John Lennon spoke of McCartney reunion


John Lennon uma vez virou-se para Art Garfunkel e pediu aconselhamento sobre uma reunião dos Beatles possívelmente no meio dos anos 1970.

Garfunkel tinha reservado seu feudo em curso com Paul Simon para uma série de concertos de reunião e Lennon queria sondá-lo para obter informações sobre a reunião depois de revelar que ele estava recebendo ofertas para se unir com Paul McCartney.

O cantor de Bridge Over Troubled Water relembra sua conversa com Lennon - no quarto da casa do edifício Dakota que ele compartilhava com Yoko Ono.

"Incrivelmente desarmado, ele me disse: 'Artie, você trabalhou com o Paul recentemente ... Eu estou recebendo chamadas ... que o meu Paul quer trabalhar comigo e eu estou pensando sobre isso ... Como foi quando você trabalhou com Paul? "

"Ele estava pesando a sua situação - o grande John Lennon com Paul McCartney - com Paul e Artie e testar-mepara ter certeza se meu ego estava completamente estabelecido como um colega dele", disse ele.

 Garfunkel emocionado sentia que sua resposta poderia ser o catalisador para uma reunião dos Beatles, e ele respondeu: "John, lembre-se que houve uma mistura musical que foi um grande pontapé, se você pode retornar para a diversão do som e acontecimentos musicais com o seu velho amigo e ignorar as vertentes e as complicações da história, o que eu encontrei com o meu Paul foi harmonia e os acontecimentos de som são uma agenda cheia.


Eles vão mantê-lo ocupado e você vai se divertir. "

Garfunkel deixou a reunião sentindo-se confiante de que Lennon e McCartney iriam se reunir. Aparecendo em novo filme Beatles Stories, ele diz: "O assunto parecia muito simples e descomplicado."

Mas nunca as composições do super-duo os fizeram trabalhar juntos novamente - e Lennon foi morto a tiros no exterior do edifício Dakota, cinco anos depois.
John Lennon once turned to Art Garfunkel for advice about a possible Beatles reunion in the mid-1970s.

Garfunkel had set aside his ongoing feud with Paul Simon for a series of reunion concerts and Lennon wanted to pump him for information about the get together after revealing he was receiving offers to team up with Paul McCartney.

The Bridge Over Troubled Waters singer recalls his chat with Lennon - in the bedroom of the Dakota building home he shared with Yoko Ono.

"Incredibly disarmingly, he said to me, 'Artie, you worked with your Paul recently ... I'm getting calls ... that my Paul wants to work with me and I'm thinking about it ... How did it go when you worked with Paul?'

"He was measuring his situation - the great John Lennon with Paul McCartney - with Paul and Artie and testing me out as if to make sure that my ego is fully established as a colleague of his," he said.

A thrilled Garfunkel felt that his answer could be the catalyst for a Beatles reunion and he responded, "John, remember that there was a musical blend that was a great kick; if you can return to the fun of that sound and musical happenings with your old buddy and ignore the strands and complications of history, what I found with my Paul is the harmony and the sound happenings are a full agenda.


They'll keep you busy and you'll have fun."

Garfunkel left the meeting feeling confident that Lennon and McCartney would reunite. Appearing in new movie Beatles Stories, he says, "The subject seemed very straightforward and uncomplicated."

But the songwriting super-duo never did work together again - and Lennon was shot dead outside the Dakota building five years later.


Ringo Starr realiza o sonho para o sua fã número um Maggie Dekort/Ringo Starr makes a dream come true for his number one fan Maggie Dekort


Uma australiana (já publiquei anteriormente sobre ela em uma matéria) que viajou meio caminho ao redor do planeta para ver Ringo Starr tocar em sua cidade natal, viu seu sonho se tornar realidade quando ela foi convidada a encontrá-lo nos bastidores antes de sua apresentação no Empire, no sábado.

Maggie Dekort, 60, foi convidada a conhecer o seu ídolo número um, após Ringo ver uma história sobre sua jornada no ECHO.

Ela disse que só tinha visto ele uma vez antes, quando era uma menina de 14 anos de idade, em um show em Brisbane, em 1964, e "cai de amor por ele no momento em que o vi".

Ela acrescentou: "Eu nunca sonhei aos 13 anos em chegar a conhecê-lo".

"Quando vi que iria a Liverpool, eu pensei 'que melhor lugar para vê-lo do que em sua cidade natal?'

"Liguei para meu amigo aqui, comprei os bilhetes, reservei a passagem aérea e em uma semana eu estava aqui.

"Meus filhos pensam que eu sou louca fazendo isso, mas eles sabem o quanto eu o amo. É uma maravilha que eu não ter chamado um deles de Ringo. "

Maggie,seu amigo de Liverpool Ken Smith, 67, e a boneca artesanal Ringo foram levados ao camarim do ex-Beatle, onde ele e a esposa ,ex-Bond girl,  Barbara Bach abraçaram-na e posaram para fotos.

Ringo, 70, disse-lhe: "Eu me lembro bem do show de Brisbane. Eu tinha acabado de sair do hospital e voei direto pra lá".

Maggie estava tremendo, num mar de lágrimas de alegria, após a reunião, que ela descreveu como número um na sua "Bucket List" de coisas para fazer antes de morrer.

Ela disse: "Estou tão feliz. Esperei 47 anos por isso, e foi tão bom. Valeu a pena cada centavo que eu gastei.

"Um na minha lista era conhecê-lo, dois era vê-lo jogar no Liverpool e três era vir a Liverpool - então eu fiz todos eles."


AN AUSTRALIAN who travelled halfway around the planet to see Ringo Starr play in his home city saw her dream come true when she was invited to meet him backstage before his Empire gig on Saturday.

Maggie Dekort, 60, was invited to meet her number one idol after Ringo saw a story about her journey in the ECHO.

She said she had only ever seen him once before, as a 14-year-old girl at a Brisbane gig in 1964, and “fell in love with him the moment I saw him”.

She added: “I never dreamed as a 13-year-old I would ever get to meet him.

“When I saw he was on in Liverpool, I thought ‘what better place to see him than in his home town?’

“I rang my friend here, got the tickets, booked the airfare and in a week I was here.

“My kids think I am crazy doing this but they know how much I love him. It is a wonder I did not call one of them Ringo.”

Maggie, her Liverpool friend Ken Smith, 67, and handmade Ringo doll were shown to the ex-Beatle’s dressing room, where he and former Bond girl wife Barbara Bach embraced her and posed for photos.

Ringo, 70, told her: “I remember the Brisbane gig well. I had just come out of hospital and flew straight out there.”

Maggie stood trembling in floods of tears of joy after the meeting, which she described as number one on her “bucket list” of things to do before you die.

She said: “I am so happy. I waited 47 years for this, and he was so nice. It was worth every cent I spent.

“One on my list was meeting him, two was seeing him play in Liverpool and three was coming to Liverpool – so I have done them all.”
Source:
http://www.liverpoolecho.co.uk

Sunday, June 19, 2011

Tributo a George Harrison



Numa semana em que o ex-Beatle George Harrison volta às manchetes, com o anúncio de um documetário sobre ele assinado por Martin Scorsese, o anúncio do show George - Tributo a George Harrison (1943-2001), faz todo sentindo.

Marcado para 21 e 22/06, às 21h, no Teatro do Sesc Vila Mariana, o tributo reúne os músicos André Abujamra, Anthony Rosemberg, Beto Bruno, Bluebell, Danilo Moraes, Dinho Ouro Preto, Edgar Scandurra, Hélio Flanders, João Herbeta, Lu Horta e Paulinho Moska.

A homenagem, idealizada pelo músico Zé Antônio Algodoal, revisita a obra de um dos principais nomes do rock internacional, passando pelos clássicos dos Beatles e pela carreira solo de George, sem deixar de lado a influência da música indiana – uma das paixões do músico – e as parcerias com grandes nomes de sua geração.

Arranjos de maestro

No repertório, os clássicos While My Guitar Gently Weeps, Taxman, My sweet Lord, Something, Here Comes The Sun, All Things Must Pass e Give Me Love ganham novas interpretações e arranjos assinados pelo maestro Fabio Tagliaferri.

Na terça-feira (21/06) sobem ao palco: André Abujamra (Karnak), BlueBell, Beto Bruno (Cachorro Grande), Danilo Moraes, Dinho Ouro Preto (Capital Inicial), Hélio Flanders (Vanguart), João Erbetta, Lu Horta e Tony Rosemberg (Cassavettes), com a participação do músico Paulinho Moska.

Na quarta-feira (22/06) é a vez de Edgard Scandurra (Ira!) integrar o time de roqueiros brasileiros. Os cantores serão acompanhados pela banda formada por Marcelo Effori (bateria), Zé Antônio Algodoal (guitarra), Zé Nigro (baixo), Pedro Pelotas (teclados) e pelo quarteto de cordas: Alex Braga (violino), Otavio Teco (violino), Fabio Tagliaferri (viola) e Sergio Freitas (cello).

Ingressos: R$ 42,00 (inteira); R$ 21,00 (usuário matriculado no Sesc e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino); R$ 10,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

Não recomendado para menores de 12 anos.

Este Dia nos Holofotes da Music: Paul McCartney,Nasceu na Ribalta/This Day in Music Spotlight: Paul McCartney, Born in the Limelight



Paul McCartney, nascido em 18 de junho de 1942, teve uma infância que, para o observador casual, declasse média, acolhedora e confortável. O mesmo poderia ser dito do seu parceiro de escrita, John Lennon, que também experimentou as folhas grandes de Liverpool do que o seu futuro baterista Ringo Starr.

Ambos Lennon e McCartney tiveram emocionalmente infâncias voláteis e perderam suas mães muito jovens, um elo comum que atraiu os adolescentes. Lennon nunca iria realmente lidar com sua perda, talvez porque ele não tinha uma figura paterna estável para compensar e ajudar a reconstruir uma vida familiar. Felizmente para McCartney, seu pai tinha ambos rock emocional e uma grande influência na carreira futura do jovem McCartney. McCartney como explicou a revista Insight, seu pai era ambos: musical e teatral.

"Meu pai era um grande personagem", ele costumava trabalhar no music hall (Vaudeville), não como um artista, mas como o foco na atenção do público. Na verdade, eles costumavam ter luzes que ficavam acesas em cima do palco. Daí a expressão, "no centro das atenções." E este era seu trabalho, então ele esfregou os ombros com artistas e cantores. Então eu suponho que é provavelmente o lugar onde eu tenho a minha coisa de showbiz".

James McCartney, um músico amador que tocava de "ouvido", incentivou seu filho mais velho a tomar aulas de música profissional e até mesmo fazer uma audição ou cantar no coro da Catedral de Liverpool. Ele ensinou Paul e seu irmão como cantar em harmonia e escolher uma linha de baixo de músicas do rádio, o talento que se tornaria elemento significativo no som dos Beatles na década de 1960.

McCartney disse no livro de Barry Miles, Many Years From Now: "Ele dizia: 'ouça isso. Você ouve o duuum dum dum dum? Isso é chamado de baixo. "Ele ensinou a mim e a meu irmão,harmonia, não o conceito, não escrito, mas ele dizia: 'Esse tom harmoniza-se com essa música" Então, eu aprendi muito cedo como cantar e o que era harmonia, que era um dos meus grandes papéis nos Beatles. Sempre que John cantava eu automaticamente cantava em harmonia com ele e isso é devido aos ensinamentos do meu pai. "

McCartney Senior tinha amor pela música fez o que ao contrário do que a maioria dos pais no final dos anos 50 na Grã-Bretanha, ele encorajou ativamente Paul e seus amigos, musicalmente nos Quarrymen, a seguirem sua musa. Ele lhes permitiu ensaiar em casa, na Forthlin Road e fez vista grossa às aulas cabuladas na parte da tarde, enquanto ele estava no trabalho, para escrever canções e fumar um velho cachimbo.

Mas acima de tudo, James McCartney queria que seus filhos entendssem que a música era divertida.

Claramente uma lição bem aprendida por McCartney, que, aos 69, é provavelmente o mais ocupado do que ele sempre foi e não mostra sinais de abrandamento. Presumivelmente, ele ainda goza cada minuto, um legado, talvez, por crescer em em uma família de Liverpool, onde a música era parte integrante de suas vidas cotidianas.

Como disse McCartney a revista Insight: "Sempre tivemos esses grandes familiares cantando canções e algumas tias se levantavam e cantavam essas músicas realmente obscuras que ninguém conhecia.Eu ainda faço isso. Nós todos vamos até Liverpool e vamos ao piano velho.. . Mas eu realmente gosto daquele tipo de pessoas. Música é para se divertir. Eles não levam a sério, mas ao mesmo tempo é uma parte importante de suas vidas. Muitas vezes eu acho que estrelas pop se tornam pomposos sobre o que fazem e como eles são importantes. "

Então, parabéns a Paul McCartney em seu aniversário hoje, e de seu falecido pai, James, no dia do Pai, com gratidão por sua aparência de um dos maiores artistas musicais dos tempos modernos. "Put it There."


Paul McCartney, born on June 18, 1942, enjoyed a childhood that, to the casual observer, was cozy, comfortable and middle class. The same could be said for his writing partner John Lennon, who also experienced a far leafier Liverpool than their future drummer Ringo Starr.

Both Lennon and McCartney had emotionally volatile childhoods with Paul and John both losing their mothers very young, a common bond that drew the adolescent boys together. Lennon would never really deal with his loss, perhaps because he lacked a stable father figure to compensate and help re-build a home life. Fortunately for McCartney, his father was both an emotional rock and a major influence on young McCartney’s future career. As McCartney explained to Insight magazine, his father was both musical and theatrical.

“My dad was a bit of a character 'cause he used to work in music hall (Vaudeville), not as a performer, but as the lime-lighter. They actually used to have limes that'd be lit up on the stage. Hence the expression, ‘in the limelight.' And that was his job, so he rubbed shoulders with entertainers and singers. So I suppose that's probably where I got my showbiz thing from.”

James McCartney, an amateur musician himself who played by ear, encouraged his eldest son to take professional music lessons and even set up an audition or him at the Liverpool Cathedral choir. He taught Paul and his brother how to sing harmony and pick out a bass line from songs on the radio, talents that would become significant elements in The Beatles' Mersey sound in the 1960s.

McCartney told Barry Miles in the book, Many Years From Now, “He’d say, ‘listen to that. You hear that dum duuum dum dum? That’s called the bass.’ He taught me and my brother harmony; not the concept, not written down, but he would say, ‘This tune is the harmony to that tune.’ So I learned very early how to sing harmony, which was one of my big roles in The Beatles. Whenever John sang I automatically sang in harmony with him and that’s due to dad’s teaching.”

McCartney Sr.’s love for music meant that, unlike most parents in late ’50s Britain, he actively encouraged Paul and his musical pals, The Quarrymen, to follow their muse. He allowed them to rehearse in is house on Forthlin Road and turned a blind eye to their skipping school in the afternoons, while he was at work, to write songs and smoke Typhoo tea from an old pipe.

But most of all, James McCartney wanted his kids to understand that music was fun.

Clearly a lesson learned well by McCartney who, at 69, is probably busier than he’s ever been and shows no signs of slowing down. Presumably, he still enjoys every minute; a legacy perhaps of growing up in a Liverpool family, where music was an integral part of their everyday lives.

As McCartney told Insight magazine: "We always had these big family sing-songs and some auntie would get up and sing these really obscure songs that nobody knew. I still do that. We all go up to Liverpool and get going on the old piano. But I really like that about those kinds of people. Music is for fun. They don't take it seriously, but at the same time it's an important part of their lives. Too often I think pop stars get pompous about what they do and how important they are."

So congratulations to Paul McCartney on his birthday today, and to his late father James on Father’s day, with gratitude for his grooming of one of the greatest musical artists of modern times. “Put it There.”