VOTE ON THIS SITE

Sunday, July 31, 2011

HAPPY BIRTHDAY TO YOU...

Paul McCartney Live Montreal Centre Bell Center 2011






Set list:

1.Hello Goodbye
2.Juniors Farm
3.All My Loving
4.Jet
5.Birthday
6.Sing The Changes
7.The Night Before
8.Let Me Roll It
9.Paperback Writer
10.The Long and Winding Road
11.1985
12.Let 'Em In
13.Maybe I'm Amazed
14.I'm Looking Through You
15.I Will
16.Blackbird
17.Here Today
18.Dance Tonight
19.Mrs. Vandebilt
20.Eleanor Rigby
21.Michelle
22.Something
23.Band On The Run
24.Ob La Di Ob La Da
25.Back In The USSR
26.I've Got A Feeling
27.A Day In The Life/Give Peace A Chance
28.Let It Be
29.Live and Let Die
30.Hey Jude

Encore
31.Lady Madonna
32.Day Tripper
33.Get Back

Second Encore
34.Yesterday
35.Helter Skelter
36.Golden Slumbers/Carry That Weight/The End

Wednesday 27th July 2011 - Bell Centre, Montréal, Canada

1.Magical Mystery Tour
2.Juniors Farm
3.All My Loving
4.Jet
5.Got To Get You Into My Life
6.Sing The Changes
7.The Night Before
8.Let Me Roll It
9.Paperback Writer
10.The Long and Winding Road
11.1985
12.Let 'Em In
13.Maybe I'm Amazed
14.Things We Said Today
15.I Will
16.Blackbird
17.Here Today
18.Dance Tonight
19.Mrs. Vandebilt
20.Eleanor Rigby
21.Michelle
22.Something
23.Band On The Run
24.Ob La Di Ob La Da
25.Back In The USSR
26.I've Got A Feeling
27.A Day In The Life/Give Peace A Chance
28.Let It Be
29.Live and Let Die
30.Hey Jude

Encore
31.Lady Madonna
32.Get Back
33.I Saw Her Standing There

Second Encore
34.Yesterday
35.Helter Skelter
36.Golden Slumbers/Carry That Weight/The End



Source:http://www.paulmccartney.com

Tudo que você precisa é amor pelos Beatles para ganhar a vida/All you need is love for the Beatles to make a living


Está escrito no cartão de Rodolfo Vazquez de negócios: Ele é o dono da maior coleção do mundo de memorabilia dos Beatles, uma reivindicação apoiada por ninguém menos que o Guinness World Records.

Então como é que um contador da Argentina - que parece um milhão de milhas de distância de Liverpool, Inglaterra - pode acumular uma impressionante 8.600 de itens relacionados aos Beatles? Dica: Sendo um confesso rato de coleção ajuda.

"Minha história mostra que há uma virtude em colecionar coisas, e acho que as escolas deveriam fazer mais para encorajar as crianças a fazê-lo", diz Vazquez, um cara, sociável corpulento com um riso pronto, muitas vezes dirigidas a si mesmo e sua obsessão. "Colecionar ensina você a ser metódico, ordenado e fazer pesquisas. E mesmo ganhar a vida."

Porque é mais que um passatempo para os 53 anos de idade, nativo de Buenos Aires. Ele voltou sua fixação aos Fab Four em um negócio em franca expansão local e imã do turismo.

A peça central de seu domínio Beatles é um novo museu no centro de Buenos Aires, onde grande parte da sua coleção é exibida. No interior, há, naturalmente, todas as capas de álbuns dos Beatles, mas também fotos raras de membros da banda John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr além de autógrafos, Beatles jogando cartas, cartazes, instrumentos musicais, uma caixa de preservativos de propriedade de Lennon, e muito, muito mais.

Tudo começou quando alguém lhe deu, aos 10 anos, o álbum dos Beatles "Rubber Soul", que ele diz que "explodiu em meu cérebro."

Vazquez diz que sua coleção ajudar a manter o patrimônio cultural de desaparecer.

"Isso preserva uma era, um lugar e uma história que poderiam desaparecer para sempre", diz ele. "Devemos aos Beatles muito do que nos tornamos hoje como uma sociedade. Você poderia reduzi-lo para" sexo, drogas e rock and roll", mas é mais do que isso."

Nos seus 20 anos, Vazquez estava fazendo mais do que apenas desgastar os sulcos de vinil de seus discos. Trabalhar um dia de trabalho no escritório do pai de contabilidade, ele começou a reunir uma coleção de qualquer coisa que os Beatles tocaram, assinaram, usaram, aprovaram ou posaram para, ou que foi escrito sobre eles.

Em 2001, quando Vazquez possuía apenas 5.600 itens, o Guinness certificou como a maior coleção existente de memorabilia dos Beatles, um processo de certificação de seis meses, ele reconhece que ele teve que pagar. (Ele se recusa a dizer quanto.) Ele acrescentou 3.000 itens desde então. Até que o museu foi inaugurado em janeiro, sua coleção foi parcialmente mantida em armazenamento e, em parte, emprestou a exposições especiais que viajaram para várias cidades na Argentina.

Nos primeiros dias, ele costumava pensar nela como apenas uma coleção, uma das várias que ele mantém, incluindo óculos de tiro, parafernália dos Simpsons, e 800 DVDs e vídeos de filmes ocidentais. Não era algo que ele pensou que poderia ganhar a vida.

Até 1997, isto é, quando ele emprestou várias centenas de peças para uma comemoração em Buenos Aires marcando o 30 º aniversário do lançamento do LP "Sgt Pepper Lonely Hearts Club Band". Ele observou, perplexo, como 25.000 pessoas marcharam dentro e fora do Centro Cultural Borges durante a mostra de uma semana para ver sua coleção.

A lâmpada acendeu sobre sua cabeça, e ele resolveu um dia  construir um santuário permanente. Demorou mais tempo do que ele imaginava, mas 13 anos depois Vazquez é dono e senhor de um império mini-Beatles. Seu complexo se tornou um ímã para o que ele tem encontrado um mercado considerável: fãs dos Beatles dispostos a pagar a admissão $ 4 para os argentinos, US $ 10 para estrangeiros. E eles não são todos os veteranos grisalhos que querem reviver a década de 1960, mas também, diz ele, um número surpreendente de crianças.

"Tudo começou como um hobby e se tornou o meu negócio. Eu emprego 30 pessoas", diz Vazquez durante uma entrevista no Museu dos Beatles, que inclui um teatro e um bar chamado Cavern Club, em homenagem a um dos primeiros locais musical em Liverpool, onde o grupo tocou.

O dinheiro para financiar sua paixão veio de seu trabalho como contabilista. Mas amigos e conhecidos lhe deram notas de colecionáveis ​​também. Vários visitantes para seu museu deram a ele objetos no valor de milhares de dólares, diz ele, "porque sei que vou cuidar deles."

Vazquez diz que não sabe ou se importa quanto a sua coleção ou itens individuais valem. Ele é especialmente ligado a sua autógrafos de Lennon que são vendidos por US $ 5.000 para cima. Entre a contagem de autógrafos indivíduais ou do grupo esta uma foto autografada por todos os quatro que ele diz que vale US $ 10.000.

Quarenta anos depois que a banda deixou de existir, a sua paixão é evidente quando as luzes do seu rosto acendem para o comércio de fofocas dos Beatles, como a demissão de Pete Best da banda ("Eles trocaram. No Ringo eles tiveram o melhor baterista na Inglaterra."), Ou a recente decisão de McCartney de voltar a casar depois de seu curto e caro casamento com  Heather Mills ("Algumas pessoas nunca aprendem");. ou se o assassino de Lennon, Mark David Chapman, deve obter condicional ("Não, e eu me recuso a dizer o nome do assassino Ele é inominável aqui ").

Vazquez diz que não há item especial que ele cobiça, embora tenha reconhecido que ele inveja o cantor George Michael por ter adquirido o piano branco de Lennon. "O que eu realmente gostaria era de tomar uma xícara de café com Paul McCartney."

Finalmente, como as luzes do museu se apagam, um entrevistador pergunta a Vazquez para a terceira ou quarta vez: "Por quê?"

"A música deles é fresca e nunca ficará fora de moda. Eles provocaram uma revolução cultural que sentimos hoje. Eles tornaram possível para nós nos expressarmos", diz Vazquez, que já escreveu dois livros, um dos quais é intitulado "A Paixão de coleta. "

"Mas os Beatles e sua grandeza também foram um quebra-cabeça", diz ele. "Eu ainda estou tentando explicar isso para mim mesmo."

It says so on Rodolfo Vazquez's business card: He's the owner of the world's biggest collection of Beatles memorabilia, a claim backed by none other than Guinness World Records.

So how did an accountant from
Argentina — which seems about a million miles away from Liverpool, England — amass a staggering 8,600 Beatles-related items? Hint: Being a self-confessed pack rat helps.

"My history shows there is a virtue in collecting things, and I think schools should do more to encourage kids to do it," says Vazquez, a gregarious, heavyset guy with a ready laugh, often directed at himself and his obsession. "Collecting teaches you to be methodical, orderly and to do research. And even make a living."

Because it's more than a hobby for the 53-year-old Buenos Aires native. He's turned his fixation on the Fab Four into a booming local business and tourism magnet.

The centerpiece of his Beatles domain is a new museum in downtown Buenos Aires where much of his collection is displayed. Inside, there are of course all the Beatles album covers, but also rare photos of band members
John Lennon, Paul McCartney, George Harrison and Ringo Starr plus autographs, Beatles playing cards, posters, musical instruments, a box of condoms that Lennon owned, and much, much more.

It all started when someone gave him, at age 10, the Beatles album "Rubber Soul," which he says "exploded in my brain."

Vazquez says his collection is helping keep cultural patrimony from disappearing.

"This preserves an era, a place and a history that might otherwise disappear forever," he says. "We owe the Beatles much of what we've become today as a society. You could reduce it down to 'sex, drugs and rock and roll,' but it's more than that."

By his early 20s, Vazquez was doing more than just wearing out the vinyl grooves of his records. Working a day job in his father's accounting office, he started to amass a collection of anything that the Beatles touched, signed, wore, endorsed or posed for, or that was written about them.

In 2001, when Vazquez owned only 5,600 items, Guinness certified it as the largest extant Beatles memorabilia collection, a six-month certification process he acknowledges he had to pay for. (He declines to say how much.) He's added 3,000 items since then. Until the museum opened in January, his collection was partly kept in storage and partly lent to special exhibitions that traveled to various cities in Argentina.

In the early days, he used to think of it as just a collection, one of several he maintains, including tequila shot glasses, Simpsons paraphernalia, and 800 DVDs and videos of western movies. It wasn't something that he thought he could make a living from.

Until 1997, that is, when he lent several hundred pieces to a commemoration in Buenos Aires marking the 30th anniversary of the release of the "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" LP. He observed, dumbfounded, as 25,000 people trooped in and out of the Borges Cultural Center during the weeklong show to see his collection.

A light bulb went on over his head, and he resolved to someday to build a permanent shrine. It took longer than he envisioned, but 13 years later Vazquez is lord and master of a mini-Beatles empire. His complex has become a magnet for what he has found is a sizable market: Beatles fans willing to pay the $4 admission for Argentines, $10 for foreigners. And they're not all graying veterans who want to relive the 1960s but also, he says, a surprising number of kids.

"It started as a hobby and became my business. I employ 30 people, you know," Vazquez says during an interview at the Beatles Museum, which includes a theater and a bar called the Cavern Club, named after one of the first musical venues in Liverpool where the group played.

The money to finance his passion came from his job as an accountant. But friends and acquaintances have given him scores of collectibles as well. Several visitors to his museum have given him objects worth thousands of dollars, he says, "because they know I will take care of them."

Vazquez says he doesn't really know or care how much his collection or individual items are worth. He is especially attached to his Lennon autographs that sell for $5,000 on up. Among the score or more of individual or group autographs is one photo signed by all four that he says is worth $10,000.

Forty years after the band ceased to exist, his passion is apparent when his face lights up to trade Beatles gossip, such as Pete Best's dismissal from the band ("They traded up. In Ringo they got the best drummer in England"); or McCartney's recent decision to remarry after his short, expensive marriage to
Heather Mills ("Some people never learn"); or whether Lennon's killer, Mark David Chapman, should be paroled ("No, and I refuse to say the killer's name. He is unnamable here").

Vazquez says there is no special item that he covets, although he acknowledged that he envies singer
George Michael for having acquired Lennon's white piano. "What I would really like to have most is a cup of coffee with Paul McCartney."

Finally, as the museum's lights go out, an interviewer asks Vazquez for the third or fourth time: "Why?"

"Their music is fresh and never out of date. They provoked a cultural revolution that we feel today. They made it possible for us to express ourselves," says Vazquez, who has written two books, one of which is titled "The Passion of Collecting."

"But the Beatles and their greatness were also a puzzle," he says. "I'm still trying to explain it to myself."
Source:http://www.latimes.com

Tuesday, July 26, 2011

Paul McCartney Live Comerica Park Detroit July 24, 2011



Set List:

Hello Goodbye
Juniors Farm
All My Loving
Jet
Drive My Car
Sing The Changes
Hitchhike
The Night Before
Let Me Roll It
Paperback Writer
The Long and Winding Road
1985
Let 'Em In
Maybe I'm Amazed
I've Just Seen A Face
I Will
Blackbird
Here Today
Dance Tonight
Mrs. Vanderbilt
Eleanor Rigby
Something
Band on the Run
Ob-la-di Ob-la-da
Back In The USSR
I Got A Feeling
A Day In The Life/Give Peace A Chance
Let It Be
Live And Let Die
Hey Jude

Lady Madonna
Day Tripper
Get Back

Yesterday
Helter Skelter
Golden Slumbers/Carry That Weight/The End


Sources:http://www.blogger.com/goog_1705496652

Thursday, July 21, 2011

Fotos dos Beatles alcançam £ 224.000 em leilão/Beatles pictures fetch £224,000 at auction




O fotógrafo Mike Mitchell tirou as fotos no Coliseu Washington show em 1964, quando tinha 18 anos de idade.

As 50 impressões de gelatinacde prata, que foram todas vendidos individualmente, tinham sido estimadas em US $ 100.000 (£ 62,000).

Fotos de segunda viagem dos Beatles para os EUA naquele ano, em Baltimore, também foram vendidas em leilão da Christie.

Entre os destaques da venda foi um foto retroiluminada da banda que o Sr. Mitchell estava diretamente atrás deles, que foi vendida por 68.500 dólares (£ 42,300) - bem acima de sua estimativa de pré-venda de US $ 2.000 - $ 3.000 (£ 1,200 - £ 1,900) .

Uma imagem de Ringo Starr, capturando um momento raro tanto como baterista e vocalista, também foi vendida por $ 8125 (R $ 5.000).

Cathy Elkies Christie, disse que esperava que as ofertas excedessem as estimativas da pré-venda.

"Os fãs de Beatles são ferozes. Para descobrir este tesouro de imagens que nunca foram publicados realmente empolga as pessoas", disse ela.

Os Beatles fizeram seu primeiro concerto nos EUA em 11 de fevereiro de 1964, dois dias depois de fazer sua estréia na TV  no Ed Sullivan Show.

Sr. Mitchell, que está agora com 65 anos, usou tecnologia digital para digitalizar e restaurar as cópias para o leilão, depois de armazenar os negativos por quase 50 anos em uma caixa no porão de sua casa.


Photographer Mike Mitchell took the pictures at the Washington Coliseum gig in 1964, when he was 18 years old.

The 50 silver gelatin prints, which were all sold individually, had been estimated to raise $100,000 (£62,000).

Photos of the Fab Four's second trip to the US that year, in Baltimore, were also sold at the Christie's auction.

Among the highlights of the sale was a backlit shot of the band that Mr Mitchell took while standing directly behind them, which sold for $68,500 (£42,300) - well above its pre-sale estimate of $2,000-$3,000 (£1,200-£1,900).

An image of Ringo Starr, capturing a rare moment as both drummer and lead singer, also sold for $8,125 (£5,000).

Christie's Cathy Elkies, said she expected bids to exceed pre-sale estimates.

"Beatles fans are fierce. To uncover this trove of images that's never been published will really excite people," she said.

The Beatles played their first US concert on 11 February 1964, two days after making their TV debut on The Ed Sullivan Show.

Mr Mitchell, who is now 65, used digital technology to scan and restore the prints for the auction, after storing the negatives for nearly 50 years in a box in his basement.

Wednesday, July 20, 2011

Ringo Starr - Boys na Arena Open Air Vienna 17/07/2011 /Ringo Starr - Boys @ Arena Open Air Vienna 2011

THE LOVE WE MAKE



Como os Estados Unidos se prepara para comemorar o décimo aniversário dos ataques terroristas de 11/09  em Nova York, Washington, DC e Pensilvânia, SHOWTIME vai estrear o documentário altamente antecipado THE LOVE WE MAKE, que narra a viagem comovente e catártica de Paul através do ruas de Nova Iorque, na sequência da destruição do World Trade Center, e durante o planejamento e desempenho do monumental  concerto beneficente no Madison Square Garden, "The Concert for New York City", que teve lugar há menos de seis semanas após os ataques terroristas. Dirigido pelo iconico documentarista, Albert Maysles (Gimme Shelter Salesman, Grey Gardens) e um premiado parceiro de filmagem, Bradley Kaplan (Muhammad e Larry, Get Yer Ya-Ya Out! Areia, e Sorrow), THE LOVE WE MAKE, foi filmado com a assinatura cinéma vérité, estilo que Maysles é pioneiro e que ficou famoso quando ele filmou os Beatles  na primeira visita à América em 1964 no documentário lendário What’s Happening! The Beatles in the U.S.A

Paul disse: "Foi uma honra poder ajudar  New York e a América nessa época de sua história. Havia um sentimento de choque e medo no ar que eu pensei que nós poderíamos ajudar a aliviar com música. E o fato de que assim muitas pessoas se juntaram, fazendo uma noite muito edificante para todos nós. "

Filmar mais uma vez em filme, preto e branco 16 milímetros, a câmera de Maysles 'intimamente captura a jornada pessoal de Paul para ajudar a curar a cidade que o acolheu de braços abertos, há tantos anos.

Albert Maysles disse: "Havia tanto sofrimento como um resultado de 11/09, é difícil imaginar como alguém pode trazer alívio àqueles que foram afetados pelos ataques, e honra aos bombeiros, policiais e equipes de resgate que perderam suas vidas em sua tentativa heróica de ajudar aos outros. Mas Paul tinha a resposta: a música e um filme que contasse a história completa ".

Paul estava em Nova York no dia dos ataques, e viu em primeira mão a destruição e as conseqüências trágicas de um dos dias mais terríveis da história dos EUA. Os diretores Maysles e Kaplan, juntamente com o Editor de Ian Markiewicz (The Beales of Grey Gardens) montaram extraordinária, íntima, nunca antes visto, imagens de Paul ensaiando para o show beneficente, conectando com os nova-iorquinos nas ruas da cidade, e contando histórias por trás das cenas de entrevistas com Dan Rather, Howard Stern e outros. Além disso, o filme traz performances do show beneficente em si e um acesso sem precedentes aos bastidores com McCartney e estrelas do mundo da música, Hollywood e política, incluindo David Bowie, Steve Buscemi, Eric Clapton, Bill Clinton, Sheryl Crow, Leonardo DiCaprio, Harrison Ford, Mick Jagger, Jay Z, Billy Joel, Elton John, Stella McCartney, o governador George Pataki, Keith Richards, James Taylor, Pete Townsend, e muitos mais.

THE LOVE WE MAKE  é uma Produção Maysles Films, Inc.. Um Filme de Albert Maysles, Kaplan Bradley, e Ian Markiewicz. Dirigido por Bradley Kaplan e Albert Maysles. Editado por Ian Markiewicz. Direção de Fotografia de Albert Maysles. Produzido por Bradley Kaplan.
 
The Highly-Anticipated Feature Length Documentary “THE LOVE WE MAKE” Chronicles Paul’s Cathartic Journey Through New York City In The Aftermath of 9/11.

To Debut on Showtime on September 10th At 9:00 ET/PT


As the United States prepares to commemorate the tenth anniversary of the 9/11 terror attacks on New York, Washington, D.C. and Pennsylvania, SHOWTIME will premiere the highly-anticipated feature documentary THE LOVE WE MAKE, which chronicles Paul’s poignant and cathartic journey through the streets of New York in the aftermath of the World Trade Center's destruction, and during the planning and performance of the monumental benefit concert at Madison Square Garden, “The Concert for New York City,” which took place less than six weeks after the terrorist attacks. Directed by iconic documentary filmmaker Albert Maysles (Gimme Shelter, Salesman, Grey Gardens) and award-winning filmmaking partner, Bradley Kaplan (Muhammad and Larry, Get Yer Ya-Ya’s Out!, Sand and Sorrow), THE LOVE WE MAKE was shot in the signature cinéma vérité style that Maysles pioneered and made famous when he filmed the Beatles’ first visit to America in the legendary 1964 documentary What’s Happening! The Beatles in the U.S.A.

Paul said, "It was an honor to be able to help New York and America at that time in its history. There was a feeling of shock and fear in the air that I thought we could help alleviate with music. And the fact that so many people stepped up to join us made for a very uplifting evening for us all."

Shooting once again on film, in 16mm black & white, Maysles’ camera intimately captures Paul’s personal journey to help heal the city that welcomed him with open arms so many years ago.

Albert Maysles said “There was so much suffering as a result of 9/11 it’s hard to imagine how one might bring relief to those who were impacted by the attacks, and honor those firefighters, police officers and rescue workers who lost their lives in their heroic attempt to help others. But Paul had the answer: music and a film that would tell the full story.”

Paul was in New York on the day of the attacks, and saw first-hand the destruction and tragic consequences of one of the most horrific days in U.S. history. Directors Maysles and Kaplan, along with Editor Ian Markiewicz (The Beales of Grey Gardens) assembled extraordinary, intimate, never-before-seen footage of Paul rehearsing for the benefit concert, connecting with New Yorkers on the city streets, and storytelling behind-the-scenes at interviews with Dan Rather, Howard Stern and others. Additionally, the film features performances from the benefit concert itself and unparalleled access backstage with McCartney and luminaries from the worlds of music, Hollywood and politics, including David Bowie, Steve Buscemi, Eric Clapton, President Bill Clinton, Sheryl Crow, Leonardo DiCaprio, Harrison Ford, Mick Jagger, Jay Z, Billy Joel, Elton John, Stella McCartney, Governor George Pataki, Keith Richards, James Taylor, Pete Townsend, and many more.

THE LOVE WE MAKE is a Maysles Films, Inc. Production. A Film by Albert Maysles, Bradley Kaplan, and Ian Markiewicz. Directed by Bradley Kaplan and Albert Maysles. Edited by Ian Markiewicz. Cinematography by Albert Maysles. Produced by Bradley Kaplan.
 
 
Source:http://www.paulmccartney.com

Monday, July 18, 2011

Paul McCartney e Billy Joel divertiram-se no Yankee Stadium/Paul McCartney and Billy Joel Rock Out at Yankee Stadium


Trinta músicas em seu setlist no Yankee Stadium na noite de sábado, Paul McCartney parecia que estava apenas começando - e, em seguida, deu boas-vindas " a um amigo de Nova York e um amigo de Yankee Stadium" no palco. Era Billy Joel, vestindo uma jaqueta preta e boné de beisebol, que prontamente se sentou ao piano de cauda. "Você está pronto para isso?" McCartney pediu-lhe. "Sim, homem!" Joel respondeu. Eles chutaram em um turbulento "I Saw Her Standing There", trocando versos entre solo furioso de piano de Joel, que tocou sorrindo como o adolescente Beatlemaníaco que ele já foi.

Foi uma surpresa perfeita para a segunda e última noite de  McCartney no estádio, uma perfeita noite quente de julho em que as nuvens ameaçaram logo no início. McCartney e Joel têm colaborado com freqüência nos últimos anos: McCartney surpreendeu os fãs quando Joel fechou o Shea Stadium, em julho de 2008, e Joel devolveu o favor, no verão seguinte aparecendo no palco quando McCartney batizando o Citi Field.

Mas a presença de Joel foi particularmente bem-vinda neste momento, ele não tem tocado feito concertos há dois anos e os fãs ficaram intrigados quando ele abruptamente cancelou a publicação de suas memórias, em março. Quando perguntado semanas atrás, se ele ia se juntar a McCartney no Yankee Stadium, ele disse: "Se ele quer que eu toque, vou ocar. Você não diz não ao Paul McCartney".
Thirty songs into his set at Yankee Stadium on Saturday night, Paul McCartney seemed like he was just getting started — and then he welcomed "a friend of New York and a friend of Yankee Stadium" onstage. It was Billy Joel, wearing a black jacket and baseball cap, who promptly sat down at the grand piano. "Are you ready for this?" McCartney asked him. "Yeah, man!" Joel responded. They kicked into a rowdy "I Saw Her Standing There," trading verses between Joel’s furious piano solo, which he played grinning like the Beatles-crazed teenager he once was.

It was a perfect surprise for McCartney’s second and final night at the stadium, a perfect warm July night that clouds had threatened early on. McCartney and Joel have collaborated frequently in recent years: McCartney surprised fans when Joel closed out Shea Stadium in July 2008, and Joel returned the favor the following summer appearing onstage when McCartney baptized Citi Field.

But Joel’s presence was particularly welcome this time; he hasn’t played a proper concert in two years and puzzled fans when he abruptly
canceled the publication of his memoirs in March. When asked weeks ago if he’d join McCartney at Yankee Stadium, he said, "If he wants me to play, I’ll play. You don’t say no to Paul McCartney."


Saturday, July 16, 2011

Paul McCartney - Golden Slumbers - Live at Yankee Stadium, July 15, 2011


Paul McCartney tocou seu primeiro de dois shows no Yankee Stadium na noite de sexta (15/07). Ele fará isso de novo hoje à noite. Mais sobre ambos os shows está chegando mais tarde, mas nada vale mais que Paul tocar  "The Night Before" pela primeira vez na sexta-feira.

Paul McCartney played his first of two shows at Yankee Stadium Friday night (7/15). He does it again tonight. More about both shows is coming later, but it's worth nothing that Paul played "The Night Before" for the first time ever on Friday.


SET LIST:
Setlist on July 15, 2011Hello, Goodbye (The Beatles song)
Junior's Farm (Paul McCartney & Wings song)
All My Loving (The Beatles song)
Jet (Wings song)
Drive My Car (The Beatles song)
Sing the Changes (The Fireman song)
The Night Before (The Beatles song)
Let Me Roll It (Foxy Lady ending)
Paperback Writer (The Beatles song)
The Long and Winding Road (The Beatles song)
Nineteen Hundred and Eighty-Five (Wings song)
Let 'Em In (Wings song)
Maybe I'm Amazed
I've Just Seen a Face (The Beatles song)
I Will (The Beatles song)
Blackbird (The Beatles song)
Here Today
Dance Tonight
Mrs Vandebilt (Wings song)
Eleanor Rigby (The Beatles song)
Something (The Beatles song)
Band on the Run (Wings song)
Ob-La-Di, Ob-La-Da (The Beatles song)
Back in the U.S.S.R. (The Beatles song)
I've Got a Feeling (The Beatles song)
A Day in the Life / Give Peace A Chance
Let It Be (The Beatles song)
Live and Let Die (Paul McCartney & Wings song)
Hey Jude (The Beatles song)
Encore:
Lady Madonna (The Beatles song)
Day Tripper (The Beatles song)
Get Back (The Beatles song)
Encore 2:
Yesterday (The Beatles song)
Helter Skelter (The Beatles song)
Golden Slumbers / Carry That Weight / The End (The Beatles song)


Source:http://www.brooklynvegan.com/

Ingressos para shows de Ringo Starr no Brasil estarão à venda na segunda-feira; veja os preços

 
Os ingressos para os shows de Ringo Starr e sua All Starr Band no Brasil começam a ser vendidos na segunda-feira (18) para o público em geral. Esta é a primeira vez que o ex-baterista dos Beatles vem ao país. Veja o serviço completo dos sete shows brasileiros:
 
Porto Alegre
Quando: 10/11, a partir das 21
Onde: Ginásio do Gigantinho (rua Padre Cacique, 891, Praia de Belas)
Quanto: R$ 150 (pista e arquibancada), R$ 200 (cadeira), R$ 300 (pista premium)
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 11h no Multisom
 
São Paulo (1º show)
Quando: 12/11, a partir das 22h
Onde: Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.981, Santo Amaro)
Quanto: R$130 (plateia superior visão parcial), R$150 (plateia superior 3), R$180 (plateia superior 2), R$200 (plateia superior 1), R$250 (pista), R$600 (poltrona setor 2), R$650 (poltrona setor 1 e camarote setor 2), R$700 (camarote setor 1)
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no estacionamento do Credicard Hall
 
São Paulo (2º show)
Quando: 13/11, a partir das 20h
Onde: Credicard Hall (Av. das Nações Unidas, 17.981, Santo Amaro)
Quanto: R$130 (plateia superior visão parcial), R$150 (plateia superior 3), R$180 (plateia superior 2), R$200 (plateia superior 1), R$600 (poltrona setor 2), R$650 (poltrona setor 1, camarote setor 2, cadeira setor 2), R$700 (camarote setor 1, cadeira setor 1), R$750 (cadeira vip), R$800 (cadeira platinum)
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no estacionamento do Credicard Hall
 
Rio de Janeiro
Quando: 15/11, a partir das 21h30
Onde: Citibank Hall (Av. Ayrton Senna, 3000, Shopping Via Parque, Barra da Tijuca)
Quanto: R$200 (pista), R$400 (pista premium e poltrona), R$500 (camarote)
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no Citibank Hall
 
Belo Horizonte
Quando: 16/11, a partir das 21h
Onde: Chevrolet Hall (Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, Savassi)
Quanto: R$160 (pista 1º lote) --serão vendidos ingressos até o 5º lote com acréscimo de R$ 20 a cada novo lote
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no Chevrolet Hall
 
Brasília
Quando: 18/11, a partir das 22h
Onde: Ginásio Centro de Convenções Ulysses Guimarães (SDC Eixo Monumental, Lote 05)
Quanto: R$500 (vip B), R$600 (vip A), R$700 (vip gold lateral), R$800 (vip A extra), R$900 (vip gold), R$1000 (vip gold extra)
Ingressos: no dia 18 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no Brasília Shopping
 
Recife/Olinda
Quando: 20/11, a partir das 20h30
Onde: Chevrolet Hall (Rua Agamenon Magalhães s/nº, Complexo do Salgadinho)
Quanto: R$180 (pista), R$450 (front stage), R$1500 (camarote piso 3), R$1700 (camarote piso 2), R$2000 (camarote piso 1)
Ingressos: no dia 25/07 a partir da 0h em www.ticketsforfun.com.br, 9h em 4003-0848, 12h no Chevrolet Hall.
 

Friday, July 15, 2011

Ringo Starr: Ingressos mais caros de SP já estão esgotados


Os ingressos para o setor “cadeira platinum”, de R$ 800, referentes ao show de Ringo Starr – no Credicard Hall, em São Paulo – já estão esgotados.
A pré-venda teve início na última segunda-feira (11). E o público geral, que só terá como comprar as entradas a partir do dia 18, vai ter de se contentar com os locais menos privilegiados da casa de espetáculos.
Agora, para as apresentações de 12 de novembro, os preços variam de R$ 130 (visão parcial) a R$ 700 (camarote setor 1). Já para o show do dia 13, os valores ficam entre R$ 130 (visão parcial) e R$ 750 (cadeira VIP).
O ex-baterista dos Beatles, acompanhado de sua All Starr Band, ainda passa por Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Rio de Janeiro no final deste ano.

Thursday, July 14, 2011

Perfil de Harrison na tela da BBC / BBC to screen Harrison film profile

 
 
 
O filme de Martin Scorsese perfil da estrela dos Beatles George Harrison será exibido pela BBC este ano.
O cineasta examinou a vida da antiga lenda da música através de arquivos de imagem e entrevistas com Sir Paul McCartney e Eric Clapton para o filme Living In The Material World.

Seu filme será exibido pela BBC2 em Novembro, para coincidir com o décimo aniversário da morte de Harrison.

Scorsese, cujos documentários incluem um filme dos Rolling Stones, Shine A Light, co-produziu o novo filme com a viúva de Harrison, Olivia.

Grande parte da filmagem do filme nunca foram vistas antes.

Ele disse: "Como tantos milhões de pessoas, eu conheci o George através da música, que foi a trilha sonora do nosso mundo. A música dos Beatles, aquelas quebras de guitarra maravilhosamente lírica e solos, as inesquecíveis canções de GeorgeI me mine ou If I Needed Someone.
 
"George fazia música espiritualmente acordado - todos nós ouvimos e sentimo-lo -. E eu acho que foi o motivo que ele veio a ocupar um lugar muito especial em nossas vidas Então, quando me ofereceram a chance de retratá-lo, eu agarrei a chance. "

Living In The Material World - o nome de seu álbum solo de 1973 - também será relançado em DVD em 10 de outubro.

Harrison, conhecido como o "Beatle quieto", estava por trás dos clássicos do Fab Four como Something, Here Comes The Sun e While My Guitar Gently Weeps. Ele passou a ter o sucesso solo com canções como My Sweet Lord e gravou com os Traveling Wilburys, bem como financiou filmes e explorou seu lado espiritual.

Ele morreu após uma batalha contra o câncer em 29 de novembro de 2001.
 
Martin Scorsese's film profile of former Beatles star George Harrison is to be screened by the BBC later this year.
The film-maker has examined the life of the late music legend through archive footage and interviews with figures such as Sir Paul McCartney and Eric Clapton for the film Living In The Material World.
His film will be screened by BBC2 in November to coincide with the tenth anniversary of Harrison's death.
Scorsese, whose film documentaries include Rolling Stones film Shine A Light, co-produced the new movie with Harrison's widow, Olivia.
Much of the footage from the film is said to have never been seen before.
He said: "Like so many millions of people, I first came to know George through the music, which was the soundtrack of our world. The Beatles' music, those beautifully lyrical guitar breaks and solos, those unforgettable songs of George's like I Me Mine or If I Needed Someone.
"George was making spiritually awake music - we all heard and felt it - and I think that was the reason that he came to occupy a very special place in our lives. So when I was offered the chance to make this picture, I jumped at it."
Living In The Material World - named after his 1973 solo album - is also being released on DVD on October 10.
Harrison, known as the "quiet Beatle", was behind Fab Four classics such as Something, Here Comes The Sun and While My Guitar Gently Weeps. He went on to have solo success with songs such as My Sweet Lord and recorded with the Traveling Wilburys as well as financing movies and exploring his spiritual side.
He died following a battle with cancer on November 29 2001.

Tuesday, July 12, 2011

Ringo Starr: bom músico ou cara de sorte?


No mês em que Ringo Starr completa 71 anos e que começa a venda de ingressos para suas primeiras apresentações no Brasil — no Rio, o show será dia 15 de novembro, no Citibank Hall —, fomos atrás de feras das baquetas para defendê-lo em uma polêmica questão.

Afinal, o baterista dos Beatles é um bom músico ou, como é constantemente avaliado, apenas um cara de sorte, com talento inferior, que calhou de tocar com os geniais John Lennon, Paul McCartney e George Harrison?

“Ringo é um dos maiores bateristas de sua geração e também um ícone da música pop”, define o ex-Titãs Charles Gavin. “Recomendo a audição de suas melhores performances, como ‘Come Together’ ou ‘ Ticket To Ride’. Isso é apenas uma amostra deste músico, que criou arranjos à altura das canções de Lennon, McCartney e Harrison”.
Outro instrumentista de reconhecido talento, João Barone, do Paralamas do Sucesso, faz coro com Gavin. “Toda uma geração de bateristas começou a tocar por causa dele, incluindo eu mesmo”, revela. “Ringo passou pelas várias fases da evolução dos Beatles com seu estilo próprio, sua pegada firme, simbolizando o baterista de rock, insubstituível dentro da banda”.

Baterista do Roupa Nova, Serginho Herval desfrutou o gostinho de gravar no mítico estúdio Abbey Road, em Londres, onde os Beatles registraram sua história. “Análises e questionamentos sobre a musicalidade do Ringo sempre vão existir, mas que ninguém duvide que a forma de tocar bateria mudou radicalmente após os Beatles. Acho que existe a bateria antes e depois do Ringo. E que me desculpem os grandes nomes da batera hoje, mas, provavelmente, vocês nem existiriam sem as levadas muito bem colocadas pelo Ringo”.

ÍDOLO DE TODAS AS ÉPOCAS
A influência de Ringo Starr atinge músicos de diversas gerações, até hoje, como atesta Japinha, baterista do CPM 22. “Seus arranjos deixaram as músicas dos Beatles muito mais interessantes, pois não eram convencionais. Ele tocava fácil e tocava bem. Os bateristas devem agradecer por sua contribuição. Prefiro Ringo que muitos virtuosos das baquetas”, elogia.

No show que vem por aí, porém, o setentão Ringo mais canta que toca. À frente de sua All Starr Band, deixa as baquetas para o não menos talentoso Gregg Bissonette. No repertório, sobram clássicos, como ‘Yellow Submarine’, ‘With A Little Help From My Friends’ e ‘It Don’t Come Easy’.

Fonte:http://odia.terra.com.br/

Os Beatles Iluminados: O Trabalho Descoberto de Mike Mitchell /The Beatles Illuminated: The Discovered Works of Mike Mitchell


Está chegando o dia do Leilão da Christie's (20 de julho) com estas especiais obras de arte do fotógrafo Mike Mitchell, como já noticiei anteriormente. Um lote excepcional de 46 fotos da primeira viagem dos Beatles aos EUA em 1964. Os preços variam entre 500 e 6000 dólares o primeiro lance, que inclusive, pode ser dado por telefone e pela internet.

Quisera eu poder fazê-lo!!!

Quarta-feira 20 de julho de 2011
 Rockefeller Plaza,20 em Nova York


It's coming the day of the Christie's auction (July,20)with this special artworks of the Photographer Mike Mitchell, as I reported previously. Exceptional lot of46 photos of the first Beatles'trip to the U.S. in 1964. Prices vary between $500 and $ 6000, which also can bid by telephone or over the Internet.

I wish I could do it!!!

Wednesday 20 July 2011
20 Rockefeller Plaza, New York

Sources:http://www.christies.com

Monday, July 11, 2011

Ingressos para Ringo Starr começam a ser vendidos

Começaram as vendas de ingressos para os shows de Ringo Starr no Credicard Hall (zona sul de São Paulo), em 12 e 13 de novembro. A comercialização agora é exclusiva para clientes com cartões Credicard, Citibank e Diners. Os preços variam de R$ 130 (visão parcial) a R$ 700 (camarote setor 1), no dia 12, e de R$ 130 (visão parcial) a R$ 800 (cadeira platinum), no dia 13.
A venda para o público geral começa em 18 de julho, pelo site www.ticketsforfun.com.br
O ex-baterista dos Beatles vem ao Brasil acompanhado de sua All Starr Band. Ele também vai se apresentar em Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Recife, com um total de sete shows.

http://www.d24am.com




Começaram a ser vendidos nesta segunda, 11 de julho, os ingressos para o show do ex-beatle Ringo Starr em Belo Horizonte. Por enquanto, as entradas estão disponíveis apenas para clientes dos cartões Citibank, Diners e Credicard.

O primeiro lote para o show, que acontece no dia 16 de novembro, custa R$ 160 para pista e arquibancada. A venda para o público em geral começa no dia 18. Eles podem ser comprados no site da
Tickets for fun.

Esta é a primeira vez que Ringo se apresenta no Brasil, e também a primeira em que um beatle se apresenta na capital mineira. Além de BH, Porto Alegre, no dia 10 de novembro, São Paulo, nos dias 12 e 13, Rio de Janeiro, no dia 15, Brasília, dia 18 e Recife, 20 de novembro, recebem Ringo Starr.

Ele vem ao país acompanhado de sua All Starr Band, que reúne músicos como os tecladistas Gary Wright e Edgar Winter e o baixista Richard Page. No palco, ele deve misturar músicas de sua época como beatle e também da carreira solo, como It Don’t Come Easy, With A Little Help From My Friends, Yellow Submarine, Don”t Pass Me By, Octopus Garden, Photograph e Back Off Boogaloo.

RINGO STARR
Show dia 16 de novembro, quarta-feira, no Chevrolet Hall. Av. Nossa Senhora do Carmo, 230, São Pedro. Ingressos: 1º lote: R$ 160

http://www.divirta-se.uai.com.br/

Pensamentos...Thoughts...