VOTE ON THIS SITE

Tuesday, August 30, 2011

Final de Fogos de Artifício no Dodger Stadium/ Beatles Fireworks Finale- Dodger Stadium




menagem dos Los Angeles Dodgers ao 45° aniversário  do Show dos Beatles a 28 de Agosto de 1966

Tribute of Los Angeles Dodgers  to the 45th anniversary of the Beatles Show August 28, 1966

Monday, August 29, 2011

28 de Agosto Aniversário de Mary McCartney (Ontem)/August 28th Mary McCartney's Birthday (Yesterday)


Mary Anna McCartney (anteriormente McCartney-Donald) é fotógrafa. A primeira filha biológica da fotógrafa de Rock Linda Eastman McCartney e Paul McCartney dos Beatles, Mary foi chamada  como sua avó paterna, Mary McCartney.


Mary tem uma meia-irmã chamada Heather McCartney (nascida Heather Louise Veja em 1962 para Linda e Melville Veja Joseph Jr.), que foi adotada por Paul McCartney; uma irmã mais nova, Stella (nascida em 1971), e um irmão mais novo, James (nascido em 1977). A mãe de Mary, Linda, morreu de câncer de mama em 1998. Mary tem uma meia-irmã muito mais jovem, Beatrice Milly McCartney, nascida do casamento do seu pai e sua segunda esposa Heather Mills em 2003.

A fotografia mais famosa de Mary McCartney foi tirada por sua mãe, é uma fotografia dela bebê, espiando de dentro da jaqueta de seu pai. A fotografia é destaque na capa do álbum de seu pai primeiro solo, McCartney (também conhecida como a "cereja" do álbum).


Após o nascimento da irmã de Stella, os pais de Paul McCartney formaram o grupo Wings de classic rock, com quem ela e seus irmãos viajaram o mundo até 1980. Ela cresceu vegetariana e é apaixonada pelos direitos dos animais, como o resto de sua família. Ela declarou que valoriza a amizade e confiança, se orgulha de seus filhos, e gosta de natureza, montanha russa, e moda sustentável, chocolate, e essência de lavanda.


Mary Anna McCartney (previously McCartney-Donald) is a photographer. The first biological child of rock photographer Linda Eastman McCartney and Paul McCartney of The Beatles, Mary was named after her paternal grandmother, Mary McCartney.

Mary has an older half-sister named Heather McCartney (born Heather Louise See in 1962 to Linda and Joseph Melville See Jr.), who was adopted by Paul McCartney; a younger sister, Stella (born 1971); and a younger brother, James (born 1977). Mary's mother, Linda, died from breast cancer in 1998. Mary has a much younger half-sister, Beatrice Milly McCartney, born to her father and his second wife Heather Mills in 2003.

The most famous photograph of Mary McCartney was taken by her mother; it is a photograph of her as a baby, peeping out from inside her father's jacket. The photograph is featured on the back cover of her father's first solo album,
McCartney (sometimes known as the "cherries" album).

After the birth of sister Stella, McCartney's parents formed the classic rock group
Wings, with whom she and her siblings travelled the globe until 1980. She grew up to be a vegetarian and is passionate about animal rights like the rest of her family. She has stated that she values friendship and trust, takes pride in her children, and enjoys nature, roller coasters, the fashion of the Roaring Twenties, chocolate and the scent of lavender.


Source:http://en.wikipedia.org

Friday, August 26, 2011

Há 44 Anos a estrela de Brian Epstein desapareceu/ 44 years ago the star of Brian Epstein faded away



1967: Beatles Epstein morre



O mentor dos Beatles, Brian Epstein, foi encontrado morto em sua casa de Belgravia, em Londres.
Ainda não está claro como ele morreu. Amigos encontraram o seu corpo na cama depois de sua governanta deu o alarme.
Sr. Epstein, 32, devia viajar amanhã para Bangor, no norte do País de Gales para se juntar aos Beatles em uma reunião da Sociedade Internacional de Meditação.
Paul McCartney e sua namorada,Jane Asher, voltaram a Londres em um carro com motorista após ouvir a notícia.


"Acidente terrível e estúpido"

Os Beatles também retornaram a Londres.
Antes de sair de Bangor, John Lennon disse: "Nossa meditações nos deram confiança para suportar um choque."
George Harrison disse: "Não existe coisa como a morte, apenas no sentido físico. Sabemos que ele está ok agora Ele vai voltar porque ele estava se esforçando para ter felicidade e bem-aventurança que tanto desejava..."
A Governanta Brian Epstein ficou preocupada quando ela não recebeu uma resposta depois de bater em sua porta do quarto no meio da tarde.
Amigos, que tinha sido chamados para vê-lo, invadiram o quarto e encontraram-no morto. A polícia foi chamada.
Um dos parceiros de seu negócio, Don Black, descreveu sua morte como "um acidente terrível e estúpido".
Outro colega disse: "Ele estava mal há alguns meses O motivo de sua morte é desconhecida no presente, mas não havia circunstâncias desfavoráveis ​​associados a ela.."
Um concerto no Teatro Saville, Londres, liderado por Jimi Hendrix, foi cancelado esta noite em homenagem ao Sr. Epstein. Ele era dono do teatro.
Sr. Epstein trouxe uma série de cantores para a fama. Além dos Beatles, seus outros protegidos incluíam: Cilla Black, Billy J Kramer, The Dakotas e Gerry and the Pacemakers.
Sr. Epstein descobriu os Beatles quando eles ainda usavam jeans e jaquetas de couro no Cavern Club em Liverpool.
Ele os encorajou a mudarem sua imagem, usar ternos e parar com palavrões e fumar em público - a fim de melhorar sua aparência.
Em janeiro de 1962 a banda assinou um contrato de cinco anos com Epstein, embora ele se recusasse a assiná-lo, dizendo a consideração mútua era o suficiente.
Ele conseguiu seu primeiro disco com a gravadora EMI, em outubro de 1962 e até o Outono de 1963, a Grã-Bretanha foi tragada pela Beatlemania.
Sr. Epstein foi diretor da Northern Songs, empresa que detinha os direitos autorais e canções de Lennon/McCartney. Ele também foi um dos principais acionistas da Nems Enterprises, que por sua vez era um grande acionista da Northern Songs.

Um exame post mortem mostrou que Brian Epstein morreu de uma overdose de pílulas para dormir. A morte foi oficialmente declarada como acidental, embora tenha sido muitas vezes especulado que era suicídio.
Brian Epstein começou no negócio da família como um vendedor de móveis. Ele rapidamente se cansou e passou um ano na RADA antes de voltar para o negócio da família.

O império Epstein expandido assumiu o que era a Lojas de Música North End Road e Brian foi encarregado do andar térreo, que vendia pianos e rádios.

Ele começou a vender discos de gramofone e do novo departamento e foi tão bem sucedido que ele abriu um ramo separado, que ficou conhecido como NEMS.

A loja ficava na esquina do agora famoso Cavern Club, onde Brian viu os Beatles tocar.

Ele cuidou de todos os aspectos da carreira dos Beatles 'negócio e depois que ele morreu as questões de negócios rapidamente se desintegraram. Em 1970 eles se separaram.

A autobiografia dos Beatles, publicada em 2000, afirmou que Epstein queria que o Beatles concordassem com um acordo de £ 50 por semana, o que teria rendido um pouco mais de £ 100.000 cada, em vez dos milhões que eles realmente ganharam.





 1967: Beatles' manager Epstein dies
The Beatles' manager, Brian Epstein, has been found dead at his Belgravia home in London.

It is not yet clear how he died. Friends found his body in bed after his housekeeper raised the alarm.

Mr Epstein, 32, was due to travel tomorrow to Bangor in north Wales to join the Beatles at a meeting of the International Meditation Society.

Paul McCartney and his girlfriend, Jane Asher, drove back to London in a chauffeur-driven car after hearing the news.

 

'Terrible and stupid accident'
The other Beatles were also returning to London.

Before leaving Bangor, John Lennon said: "Our meditations have given us confidence to stand such a shock."

George Harrison said: "There is no such thing as death, only in the physical sense. We know he is ok now. He will return because he was striving for happiness and desired bliss so much."

Brian Epstein's housekeeper became worried when she did not get an answer after knocking on his bedroom door in the middle of the afternoon.

Friends, who had called round to see him, broke into the room and found him dead. The police were called.

One of his business colleagues, Don Black, described his death as "a terrible and stupid accident".

Another colleague said: "He has been unwell for some months. The reason for his death is at present unknown, but there were no untoward circumstances associated with it."

A concert at the Saville Theatre, London, headed by Jimi Hendrix, was cancelled tonight in tribute to Mr Epstein. He owned the theatre's lease.

Mr Epstein brought a number of singers to fame. Apart from the Beatles, his other protégés included Cilla Black, Billy J Kramer, The Dakotas and Gerry and the Pacemakers.

Mr Epstein discovered the Beatles when they were still performing in blue jeans and leather jackets at the Cavern Club in Liverpool.

He encouraged them to smarten up their image, wear suits and stop swearing and smoking in public - in order to broaden their appeal.

In January 1962 the band agreed a five year contract with Epstein, although he refused to sign it, saying their mutual regard for one another was enough.

He got them their first record deal with EMI in October 1962 and by autumn 1963, Britain was engulfed by Beatlemania.

Mr Epstein was a director of Northern Songs, the company which owned the copyright to McCartney and Lennons' songs. He was also a major shareholder in Nems Enterprises, which in turn was a big shareholder in Northern Songs.



A post mortem examination showed Brian Epstein died of an overdose of sleeping pills. The death was officially ruled as accidental, although it has often been speculated that it was suicide.

Brian Epstein started out in the family business as a furniture salesman. He quickly got bored and spent a year at RADA before returning to the family business.

The Epstein empire expanded to take over what was North End Road Music Stores and Brian was put in charge of the ground floor, which sold pianos and radios.

He began to sell gramophone records and the new department was so successful he opened a separate branch, which became known as NEMS.

The shop was just around the corner from the now-famous Cavern Club, where Brian first saw the Beatles play.

He looked after every aspect of the Beatles' business careers and after he died their business affairs rapidly crumbled. By 1970 they had split up.

A Beatles' autobiography, published in 2000, claimed Epstein wanted the Beatles to agree to a £50-a-week-for-life deal, which would have netted them just over £100,000 each, rather than the millions they actually earned.

LA Dodgers comemorará o 45 º aniversário do concerto dos Beatles durante homestand /L.A. Dodgers to celebrate 45th anniversary of Beatles concert during homestand





O Los Angeles Dodgers irá comemorar o 45 º aniversário do concerto dos Beatles no Dodger Stadium durante homestand da equipe de seis jogos, que começa hoje à noite.
A música dos Beatles vai ser tocada durante a série de três jogos do final de semana contra o Colorado Rockies, os fogos de artifício após o jogo desta noite serão com música dos Beatles,  e o elenco de The Beatles LOVE do Cirque du Soleil em Las Vegas irãoapresentar em campo antes de jogo de terça-feira contra o San Diego Padres e lançar um arremesso cerimonial antes.

Bob Eubanks, que é mais conhecido como o host original de "The Newlywed Game", mas que também promoveu o concerto dos Beatles em 28 de agosto de 1966,  no Dodger Stadium, vai lançar nesta noite o primeiro arremesso cerimonial.

Uma multidão estimada em 45 mil, pagando 4,50 dólares pelos bilhetes no deck superior e R $ 6 para os bilhetes do Loge e do nível do campo, acabou sendo o último concerto público dos Beatles, 13° parada na 14° cidade da turnê norte-americana.

De acordo com uma conta de Los Angeles Times, os Beatles tocaram 10 músicas em cerca de meia hora, incluindo "She's a Woman", "If I Needed Someone" e "Rock 'n' Roll Music".

Em uma entrevista em 2006 com o site homenageando o proprietário do Dodger's, o falecido Walter O'Malley, walteromalley.com, Bob Smith, que, como gerente de Dodger Stadium, foi encarregado de questões operacionais e de segurança para o concerto, recordou "a multidão foi, provavelmente, entre 14-18 (anos), a maior parte, meninas "e que ele ficou com um zumbido nos ouvidos por causa ruído, durante vários, dias após o concerto.

O concerto foi o primeiro do Dodger Stadium, que foi inaugurado em 1962.

A turnê acabaria na noite seguinte no Candlestick Park de San Francisco.

The Los Angeles Dodgers will celebrate the 45th anniversary of The Beatles concert at Dodger Stadium during the team's six-game homestand, which begins tonight.
Beatles music will be played during the three-game weekend series against the Colorado Rockies, the fireworks display following tonight's game will be set to Beatles music, and the cast from The Beatles LOVE by Cirque du Soleil in Las Vegas will perform on the field before Tuesday's game against the San Diego Padres and throw out a ceremonial first pitch.
Bob Eubanks, who is best known as the original host of "The Newlywed Game" but who also promoted The Beatles Aug. 28, 1966, concert at Dodger Stadium, will throw out a ceremonial first pitch tonight.
A crowd estimated at 45,000, paying $4.50 for tickets on the top deck and $6 for the Loge and Field level tickets, turned out for what would prove to be The Beatles next-to-last public concert, the 13th stop on their 14-city North American tour.
According to a Los Angeles Times account, The Beatles played 10 songs in approximately a half-hour, including "She's a Woman," "If I Needed Someone" and "Rock 'n' Roll Music."
In a 2006 interview with the website honoring the late Dodger owner Walter O'Malley, walteromalley.com, Bob Smith, who, as manager of Dodger Stadium, was in charge of operational issues and security for the concert, recalled "the crowd was probably in the 14-18 (-year-old) range, most of it girls" and that he had ringing in his ears from the noise for several days after the concert.
The concert was the first at Dodger Stadium, which opened in 1962.
The tour would end the following night in San Francisco's Candlestick Park.

Wednesday, August 24, 2011

Grupo Beatlemania de Taguatinga: Dois Eventos Culturais/ Beatlemania Group of Taguatinga: Two Cultural Events


27 de Agosto (Sábado, 22h30)
Bar Kaixa D'Água
Praça da CNF - Taguatinga



02 de Setembro (Sexta, 22h)
Rock forEVERTON
Beatlemania e Oldeight

Cult 22 Rock Bar
Centro de Atividades 7, Bloco F1 (Lago Norte)


 Em 2001 Marcos Vianna (Guitarra e Voz) e Kennedy Nunes (Baixo) se juntam para formar uma banda para tocar canções dos Beatles, convidam Fábio Emanuel (Guitarra) e João Batera (Bateria) para completar o time. Fazem algumas apresentações em bares modestos do Distrito Federal. A Banda é batizada como Magical Mystery Band.
Ainda em 2001, João, não podendo conciliar outros trabalhos que desenvolvia paralelamente, deixa a banda e Neno Vieira (Bateria e Voz) é convidado para dar segmento às datas já marcadas. E é com esta formação que o grupo começa a tomar forma, já que Neno trazia um íntima ligação com a música dos Beatles, tendo no ano anterior (2000) organizado um show intitulado "20 anos sem John Lennon", na qual participaram vários artistas do circuito musical do DF, dentre eles: Dillo Daraujo, Carol Fazu, Jedson Flores (Banda Satisfaction), Marcelo e Marssal (Banda Marssal), e também Marcos Vianna. Neno traz uma bateria mais próxima do som dos Beatles e um reforço vocal, que logo faz diferença. A banda começa a soar como deveria.
Oldair Vieira (Teclados e Voz) chega através de seu irmão, e agora o grupo pode estender o repertório, que até então estava limitado principalmente às canções da primeira fase do FabFour.
Logo o grupo começa a ganhar projeção, e, no ano seguinte são convidados para o Festival de Inverno de Campo Grande (MT) e tocam para 5 mil pessoas aproximadamente.
Com esta formação o quinteto se consolida. Comemoram os 60 anos de Paul McCartney em 2002 com uma temporada de shows. Abrem shows de Renato e Seus Blue Caps e The Fevers no Minas Brasília Tênis Club em Brasília em 2002, 2003 e 2004.
Em 2004, ainda com o nome de Magical Mystery Band, o grupo vence em 1º Lugar a Etapa Brasília do BeatleFest, evento promovido por Márcio Motta.
Em 2005, Kennedy deixa o grupo e é substituído por Hugo do Vale (Baixo e Voz). Com esta formação fazem uma homenagem para John Lennon por ocasião dos 25 anos de seu desaparecimento.
Hugo não fica muito tempo no grupo, e após sua saída, Adriano Silva assume o Baixo em 2006. Ocasião propícia para grandes mudanças. A banda agora se chama BEATLEMANIA e o repertório se torna ainda mais abrangente. Neste ano tocam no importante evento Beatles Exibithion realizado no Pátio Brasil em Brasília, com réplicas, miniaturas e memorabília dos Beatles. Tocam também no Feitiço Mineiro e em Festa-Show em Goiânia.
No final de 2007, mais mudanças na formação: Adriano se despede da banda e Eduardo Pirangi agora é o novo baixista. Com esta formação fazem o Reveillon 2007/2008 no Minas Brasília Tenis Clube e tocam novamente no Beatles Exibithion Edição 2008 , desta vez no Alameda Shopping em Taguatinga-DF.
O ano de 2009 traz a Beatlemania em plena atividade e é marcado pela forte presença do grupo no evento "Exposição The Beatles" novamente no Pátio Brasil, em Brasília.
No ínicio de 2010, o quinteto retorna às origens dos Beatles e apresenta um repertório calcado no disco "Rock'n Roll Music", voltando aos palcos com a energia de sempre.
Em 2011, o grupo completa 10 anos de existência, e promete continuar encantando todas as gerações de beatlemaníacos.


In 2001 Vianna (guitar and vocals) and Kennedy Nunes (bass) join to form a band to play Beatles songs, invite Fabio Emanuel (guitar) and João Batera (drums) to complete the team. Make some modest performances in bars in the Federal District (Brasília). The band is named as Magical Mystery Band.

In 2001, João, can not reconcile that developed alongside other works, left the band and Neno Vieira (Drums and Vocals) is invited to give the segment the dates already scheduled. It is with this training that the group begins to take shape, as Neno had a close relationship with the Beatles, with the previous year (2000) organized a show entitled "20 years without John Lennon," which was attended by various artists DF's music circuit, including: Dillo Daraujo Carol Fazu, Jedson Flores (band Satisfaction), and Marcelo Marssal (Marssal Band), and also Vianna. Neno brings closer to the drum sound of the Beatles and enhanced vocal, which soon makes a difference. The band begins to sound like it should.

Oldair Vieira (keyboards, vocals) comes from his brother, and now the group can extend the repertoire, which until then was limited mainly to songs from the first phase of FabFour.

Soon the group begins to gain projection, and the next year are invited to the Winter Festival of Campo Grande (MT) and play for about 5 000 people.

With this formation, the quintet is consolidated. Celebrating 60 years of Paul McCartney in 2002 with a series of shows. Open shows of Renato and His Blue Caps  and The Fevers in Tennis Club in Minas BrasiliaTennis Club in Brasilia in 2002, 2003 and 2004.

In 2004, still under the name Magical Mystery Band, the group won 1st place in Brasilia in Step BeatleFest, an event promoted by Márcio Motta.

In 2005, Kennedy left the band and was replaced by Hugo Vale (bass, vocals). With this formation they did a tribute to John Lennon on the occasion of 25th anniversary of his death.

Hugo does not get much time in the group, and after his departure, Adriano Silva takes down in 2006. Occasion for big changes. The band is now called BEATLEMANIA and the repertoire is even broader. This year they played in the major Beatles Exibithion event held in the Courtyard  Brazil in Brasilia, with replicas, miniatures and memorabilia of the Beatles. Also play the Spell-Miner and Festa-Show in Goiânia.

In late 2007, more lineup changes: Adriano goodbye the band  and Eduardo Pirangi is now the new bassist. With this formation they play at New Year's Eve 2007/2008 in Minas Brasilia Tenis Club and play again in the 2008 edition Beatles Exibithion, this time in the Shopping Mall in Taguatinga-DF.

The year 2009 brings Beatlemania in full swing and is marked by the strong presence of the group at the "Exhibition of The Beatles" again the Pátio Brazil in Brasilia.

In early 2010, the quintet returns to the origins of the Beatles and shows a repertoire based on massive album "Rock'n Roll Music", returning to the stage with the energy of all time.

In 2011, the group completes 10 years of existence, and promises to continue delighting generations of all Beatlemaniacs.

Tuesday, August 23, 2011

Compacto Simples de Please Please Me será Leiloado /Signed Beatles single Please Please Me to be auctioned


O disco de sete polegadas, assinado em ambos os lados por John, Paul, George e Ringo, será vendido no Instituto Liverpool for the Performing Arts, no sábado.

Outros lotes na venda anual da Convenção dos Beatles inclui fotografias dos Fab Four no Empire Sunderland.

Um boné pertencente a John Lennon busca até R $ 4.000.

"Muita emoção" 
Entre outros itens incomuns  uma ordem de compra obrigatória emitida para o Cavern Club, antes de ser preenchido com concreto no início dos anos 1970, e um pedaço do palco que se estima atingir até £ 1.800.

O leilão do lote 322 também apresenta um telegrama dirigido ao "Sr. Starkey G" enviada pelo comediante Peter Sellers para Ringo Starr em 21 agosto de 1968 sobre uma visita a sua casa.

Stephen Bailey, gerente do Liverpool Beatles Shop, que está realizando a venda, disse: "A memorabilia continua chegando e há um monte de excitação.

"Temos vários singles assinados este ano e que atraem sempre um grande interesse dos fãs e colecionadores.

"Mas são sempre os itens mais incomuns que capturam a imaginação dos compradores."

The seven-inch record, signed on both sides by John, Paul, George and Ringo, will be sold at the Liverpool Institute for the Performing Arts on Saturday.
Other lots in the annual Beatles Convention sale include photographs of the Fab Four at the Sunderland Empire.
A cap belonging to John Lennon is expected to fetch up to £4,000.
'Lots of excitement'
Among other unusual items is a compulsory purchase order issued for the Cavern Club before it was filled in with concrete in the early 1970s, and a piece of its stage which is estimated to reach up to £1,800.
The 322-lot auction also features a telegram addressed to "Mr G Starkey" sent by comedy film star Peter Sellers to Ringo Starr on August 21 1968 ahead of a visit to his home.
Stephen Bailey, manager of the Liverpool Beatles Shop, which is staging the sale, said: "The memorabilia has just kept coming in and there's a lot of excitement building.
"We have several signed singles this year and they always attract a lot of interest from fans and collectors.
"But it's always the more unusual items which capture the imagination of the buyers."

Source:http://www.bbc.co.uk

Cartão de pouso de John Lennon prevê arremate de £ 15.000 em leilão /John Lennon's landing card expected to fetch £15,000 at auction


Um formulário preenchido por John Lennon um mês antes de sua morte, no qual ele descreveu sua ocupação como "arriscado/incerto" (sic), será leiloado.

Lennon preencheu o formulário - uma amostra de cartão de embarque de avião para o Japão que era para ser usado antes de preencher o documento real - com respostas infantis e brincadeiras.

Ele deu o nome de "Blow Job" e descreveu sua nacionalidade como "estranha".

Próximo a data de nascimento, ele escreveu: "Sim, Sim, Sim". Sua autoridade de emissão de passaportes foi "God Of Air".

Acredita-se que Lennon tenha concluído o cartão em 1980, pouco tempo antes de ser morto frente a seu apartamento em Nova York por Mark Chapman - o que significa que a resposta do ex-Beatle na "opção:ocupação", torna o documento pungente e valioso.

O cartão, será vendido pela londrina leiloeiros Fame Bureau, e deverá render cerca de £ 15.000.

James Wilkinson, da sala de venda, disse: "Sabemos que foi feita em 1980 - ano em que morreu." Evidência do senso de humor de Lennon, e preferência pelas respostas infantis e cruas, ele deu mostras de seu humor único. É um item de colecionador e maravilhosa peça de memorabilia. "

O item está sendo vendido por um colecionador particular.
  
A form filled out by John Lennon months before his death, on which he described his occupation as "hazardus" (sic), is being sold at auction.
Lennon completed the form – a sample airline embarkation card for Japan that was supposed to be used before filling in the real document – with childish and teasing answers.
He gave his name as "Blow Job" and described his nationality as "Weird".
Next to date of birth, he wrote: "Yes, Yes, Yes." His passport issuing authority was "God Of Air".
Lennon is believed to have completed the card in 1980, not long before he was killed outside his New York apartment by Mark Chapman – meaning the former Beatle's answer in the occupation box makes the document poignant and valuable.
The card, being sold by London-based auctioneers the Fame Bureau, is expected to fetch around £15,000.
James Wilkinson, from the sale room, said: "We know this was completed in 1980 – the year he died. "It highlights Lennon's sense of humour, and the rather childish and crude answers he gave show his unique wit. It is a wonderful collector's item and piece of memorabilia."
The item is being sold by a private collector.


Decca assina com McCartney- enfim/ Decca signs McCartney - at last


Sir Paul McCartney fará o seu primeiro álbum com a Decca, meio século depois dos Beatles serem famosamente rejeitados pela gravadora.

O primeiro balé do músico, Ocean's Kingdom, que estréia mês que vem, será lançado pela empresa no final deste ano.

A reprovação dos Beatles pela Decca é muitas vezes vista como um dos maiores erros de julgamento no negócio da música. Meses mais tarde, o grupo assinou contrato com a Parlophone e começou uma corrida para se tornar a maior ação de vendas de discos no mundo.

Sir Paul foi contratado pelo New York City Ballet para criar seu novo trabalho, com a partitura gravada em Londres em Junho, conduzida por John Wilson. A produção vai estrear em Nova York em 22 de setembro, com o álbum, executado pela Orquestra Clássica de Londres, para prosseguir em 3 de Outubro.

É a aparência do registro sobre o rótulo que transformou a banda no início de 1962, que vai agradar a muitos fãs.

Decca os rejeitou, alegando que "grupos de guitarra estão fora de moda" e a banda "não têm futuro no show business". Em vez disso a empresa assinou com O Tremeloes.

Enquanto isso, A Família Royle da atriz Sue Johnston, revelou sua mãe, desaprovava a sair com os Beatles quando era mais jovem.

Em sua autobiografia Things I Couldn't Tell My Mother, ela escreve: "Eu tenho que conhecer Paul e Ringo bem, nós nos tornamos bons amigos..

"Os Beatles apareceram pela primeira vez na TV em 17 de Outubro de 1962. Eles estavam vestidos com jaquetas de couro e pareciam muito sexy. Minha mãe ficou estarrecida. Depois disso, quando Paul veio para nossa casa para me deixar, ela perguntou com desgosto , "O Beatle sujo esteve na minha casa? '"
Sir Paul McCartney is to make his first album with Decca, half a century after the Beatles were famously rejected by the record company.

The musician's first ballet, Ocean's Kingdom, which receives its premiere next month, is to be released by the company later this year.

The Fab Four's snub by Decca is often seen as one of the biggest errors in judgment in the music business. Months later, the group signed to Parlophone and began a run of chart-toppers to become the biggest act in the world.

Sir Paul was commissioned by the New York City Ballet to create his new work, with the score recorded in London in June, conducted by John Wilson. The production will premiere in New York on September 22, with the album, performed by the London Classical Orchestra, to follow on October 3.

It is the score's appearance on the label that turned the band down in early 1962 which will tickle many fans.

Decca rejected them on the grounds that "guitar groups are on the way out" and the band "have no future in show business". Instead the firm signed The Tremeloes.

Meanwhile, The Royle Family actress Sue Johnston has revealed her mother disapproved of her hanging out with the Beatles when she was younger.

In her autobiography Things I Couldn't Tell My Mother, she write: "I got to know Paul well, and Ringo. We became good mates.

"The Beatles first appeared on TV on October 17, 1962. They were dressed in leather biker jackets and looked very sexy. My mum was appalled. After that, when Paul came to our place to drop me off, she'd ask in disgust, 'Has that dirty Beatle been in my house?'"



Monday, August 22, 2011

De Martin Scorsese, George Harrison: 'Living in the Material World' - Trailer Exclusivo/Martin Scorsese’s ‘George Harrison: Living in the Material World' - Exclusive Trailer



Não vejo a hora de pôr as minhas mãos em um exemplar deste vídeo...
I can't wait to lay my hands on a copy of this video...

A Torre da Paz Imagine de Yoko Ono foi iluminada domingo em homenagem às vítimas da Noruega/Yoko Ono's Imagine Peace Tower was lit Sunday in tribute to Norway victims

http://inventorspot.com

A Torre da Paz Imagine foi acesa em 21 de agosto para homenagear as vítimas dos ataques de 22 de julho, na Noruega em Oslo e Utøya.

A Noruega designou 21 de agosto como dia oficial de luto em memória das vítimas do tiroteio.
 
"Espero que a Torre da Paz Imagine possa dar luz aos desejos fortes da Paz Mundial de todos os cantos do planeta e dar inspiração, incentivo e um sentido de solidariedade em um mundo agora cheia de medo e confusão", Yoko Ono disse em um comunicado. Ono criou a torre como uma obra de arte em memória do falecido John Lennon.
 
"Espero que as pessoas do mundo se juntem a nós viver para ver a iluminação da Torre da Paz Imagine e enviar seus votos de paz, especialmente para o povo da Noruega, por Tweeting (@ IPTower) e mensagens no Facebook http://www.imaginepeacetower.com/. Vamos nos reunir para fazer um mundo em paz."


The Imagine Peace Tower will be lit Aug. 21 to pay tribute to the victims of the July 22 attacks in Norway at Oslo and Utøya. 
Norway has designated Aug. 21 as an official day of mourning and remembrance for the victims of the shootings.
“I hope the Imagine Peace Tower will give light to the strong wishes of World Peace from all corners of the planet and give encouragement, inspiration and a sense of solidarity in a world now filled with fear and confusion," Yoko Ono said in a statement. Ono created the tower as an artwork in memory of the late John Lennon. 
"I hope people of the world will join us live to watch the lighting of Imagine Peace Tower and send their wishes for peace, especially for the people of Norway, by Tweeting (@IPTower) and Facebook messaging at www.imaginepeacetower.com. Let us come together to realise a peaceful world.”

Friday, August 19, 2011

John Lennon: produtor/John Lennon: producer


Houve milhares de palavras escritas sobre John Lennon: Beatle ou compositor, músico ou ativista ou Inteligência, mas não há praticamente nada lá fora, sobre seu trabalho como produtor. O recente livro, Starting Over: The Making of do Double Fantasy de John Lennon e Yoko Ono, capta todos os aspectos de como o artista criou o que acabou por ser a sua declaração final, mas no processo, o autor Ken da Sharp oferece uma visão fascinante de como Lennon passou a sessões, passou os sons que ele queria e persuadiu aqueles ao redor dele em dar o seu melhor.

Enquanto ele famosamente passou a maior parte de seu tempo na cadeira do produtor de Harry Nilsson para Pussy Cats (1974) ficando bêbado e sendo desordeiro, era um mais velho, um Lennon mais maduro que entrou no The Hit Factory em New York, no Verão de 1980 para criar o Double Fantasy. O álbum, uma conversa musical entre ele e Yoko Ono, foi co-produzido entre o par e o lendário Jack Douglas, e durante a sua criação, Lennon mostrou-se incisivo quanto como que ele queria que o álbum soasse, como alcançá-lo, e surpreendentemente humilde quando chegou a hora de solicitar e avaliar todas as opiniões na sala.

Livro da Sharp, uma história oral com um elenco de dezenas intimamente envolvidos com o álbum, captura a interação entre os três produtores, e os seus estilos de produção diferentes:

Andy Newmark (baterista): Embora ele não houvesse gravado durante os cinco anos anteriores ao Double Fantasy, John demonstrou que ele ainda ficava muito confortável e confiante em um estúdio de gravação. Claramente, ele conhecia sua maneira naquele ambiente. Fiquei impressionado desde o início com a sua autoridade, sua clareza, e sua capacidade de tomar decisões rápidas. Ele nunca perdeu seu foco. Isso foi fantástico. Tínhamos a liderança, confiança e autoridade que precisávamos. Este era diferente de muitos artistas para os quais eu trabalhei, que não são líderes nesse contexto, embora possam ser surpreendentes talentos, no entanto.

George Small (Teclados): Havia uma canção em que nada foi gelificação, embora eu não me lembro o título dela. John levou cada um de nós de lado e dirigiu-nos individualmente. Em cerca de 10 ou 15 minutos, ele teve todos tocando apenas o que ele queria. Ele teve uma abordagem como se ele estivesse consertando uma máquina ou um relógio e apenas sintonizava cada um de nós para as partes que ele queria.

Jack Douglas (Produtor): Eu sabia instintivamente como fazer o trabalho no estúdio. Minha filosofia geral sobre como gravar discos é que às vezes você precisa sentar e escrever com o artista, como eu fiz com o Aerosmith. Em outras situações, você facilita, em fazer o orçamento para ter certeza que o estúdio está reservado para a contratação de todos os músicos. Outras vezes, você só tem que gentilmente guiar as coisas. Quando você tem um talento como John Lennon, você precisa ficar no caminho? Não. Você só precisa deixar que aconteça.

Lee DeCarlo (Engenheiro): Jack é um produtor genial. John sabia o que queria e Jack ajudou a facilitar a idéias. Ele foi diplomático. Por exemplo, se John tinha uma brilhante idéia, Jack ia embora por um dia ou dois e ele voltava e dizia: "Lembra-se daquela idéia que você teve? Por que não tentamos isso? "Além disso, se alguma vez houve um desentendimento, Jack foi o mediador.

Parte da contundência de Lennon no estúdio veio do fato de que ele tinha trabalhado mais com  demos primitivos para as canções, que lhe deu uma imagem distinta de como as músicas devem soar no final, ainda que estes demos também revelassem uma certa insegurança e perfeccionismo:

Jack Douglas: Ele gravava duplamente porque ele odiava o som de sua voz. E eu costumava dizer-lhe: "John, você não precisa duplicar." Estes demos de Bermuda foram gravadas em um boom-box da Panasonic- com apenas um violão acústico, ou em umc caso, piano, em "Real Love" e ele e Fred Seaman batendo em panelas e frigideiras. Na verdade, ele tomou o tempo para tocar de um Panasonic para outro e duplicar sua voz, porque ele não podia suportar que eu iria ouvir essas coisas com um vocal único.

Uma anedota relembra Lennon sobre duplo vocais encontra-o em modo de produção um pouco agressivo, mas há uma dica do famoso Beatle mischievous jovens no trabalho também:

Jon Smith (Engenheiro Assistant): Um dia, no início do projeto, enquanto eu estava criando no estúdio, John e Yoko chegaram cedo. Jack e Lee [DeCarlo] não tinham chegado ainda e John teve uma idéia para uma parte vocal, uma parte de harmonia que ele queria gravar. Carreguei a fita no multitrack e preparei-a para tocar, mas quando olhamos para a o canal da fita, não havia faixas abertas para colocar. John disse para não me preocupar, havia um velho truque que costumava fazer nos discos dos Beatles . Eles fariam um overdub em uma faixa que já tinha algo gravado, sem apagar o que já estava lá, mas apagand o início dessa faixa. O truque dele é obter a nova gravação no nível certo equilibrando corretamente com o que já está lá, e nós apenas tínhamos uma chance, assim que nós teríamos que fazê-la corretamente na primeira vez. Ele me disse que tinha fé em mim e que ele assumia a total responsabilidade, quando Jack e Lee chegaram. Decidimos ir direto para a vocal líder que John tinha cantado ao cortar a música. Ele foi para o estúdio. Nós praticamos algumas vezes para obter o nível adequado e, em seguida gravamos. Quando tocamos outra vez, parecia ótimo, e quando Jack e Lee chegaram lá, nós tocamos para eles e eles adoraram.

Ao longo do livro, os associados relatam história após a história, de como a mente analítica de Lennon no trabalho. Mais de uma vez, as pessoas cumprimentando-no por uma nova faixa ou talvez observando que uma certa canção Beatle era sua favoritao, e Lennon nunca se limitou a dizer "obrigado" ao invés disso ele perguntou: "Por que você acha disso?" Em um esforço para descobrir o que em seu trabalho ressoou com os outros.

Ao longo de Starting Over, Sharp habilmente leva o leitor para o Hit Factory, observando-se as sessões como uma mosca na parede. Com a abundância de fotos de época e insights abundantes de todos os envolvidos, ele serve de tudo aquilo que poderia possivelmente querer saber, a partir do nome da guitarra de da era espacial que Lennon tocou ao longo das sessões (a Sardonyx), até como suas trilhas abandonadas eram, o porquê Ahmet Ertegun foi expulso do estúdio. Enquanto a narrativa começa com Lennon e sua equipe tentando (em vão) manter suas gravações secretas, no caso de fracasso, os leitores verão o ex-Beatle recuperar sua confiança assim que o álbum começa a tomar forma. E se Lennon estava tendo dúvidas no momento, ele não permitiu que músicos no seu estúdio tivessem qualquer:

Tony Davilio (Arranger): Eu me lembro sempre que Andy Newmark pensava ter  cometido um erro, ele dizia "Uh-oh, eles estão indo buscar Russ Kunkel." [Baterista famoso de LA que trabalhou com Bob Dylan, James Taylor, Crosby Stills and Nash, e Linda Ronstadt]. Disse ele em tom de brincadeira. Ele deve ter dito isso cerca de 50 vezes. Depois de alguns dias com ele dizendo isso, John disse: "Diabo, Andy, se eu quisesse Russ Kunkel, eu o teria chamado!" Mas, na verdade, Andy foi o baterista perfeito para as sessões.

De todas as lembranças em Starting Over, é claro que Lennon era uma presença imponente, mas também um homem que criou uma vibe, otimista  que incentivou a todos fazer o seu melhor.

Julie Last (Engenheiro Assistant): Foi um pouco intimidador trabalhar pela primeira vez com John. Afinal, ele era um Beatle. Mas ele era muito descontraído e engraçado e tão animado por estar de volta ao estúdio após cinco anos sendo um "marido caseiro." Seu espírito era como de uma criança numa loja de doces. Você só se envolvia em sua alegria por estar de volta para fazer um disco novo. "

There’s been thousands of words written about John Lennon: Beatle or Songwriter or Musician or Activist or Wit, but there’s virtually nothing out there about his work as a Producer. The recent book, Starting Over: The Making of John Lennon and Yoko Ono’s Double Fantasy, captures all aspects of how the artist created what turned out to be his final statement, but in the process, author Ken Sharp provides a fascinating glimpse of how Lennon ran his sessions, got the sounds he wanted and cajoled those around him into giving their all.

While he famously spent most of his time in the producer’s chair for Harry Nilsson’s Pussy Cats (1974) getting drunk and rowdy, it was an older, more mature Lennon who entered New York’s The Hit Factory in the Summer of 1980 to create Double Fantasy. The album, a musical conversation between himself and Yoko Ono, was co-produced between the pair and the legendary Jack Douglas, and during its creation, Lennon showed himself to be incisive as to what he wanted the album to sound like, clear as to how to achieve it, and surprisingly humble when it came time to solicit and weigh all opinions in the room.

Sharp’s book, an oral history with a cast of dozens intimately involved with the album, captures the interplay between the three producers, and their various production styles:
Andy Newmark (Drummer): Although he had not recorded for the five years prior to Double Fantasy, John demonstrated that he was still very comfortable and confident in a recording studio. Clearly, he knew his way around that environment. I was impressed right from the start with his authority, his clarity, and his ability to make decisions fast. He never lost his focus. That was fantastic. We got the leadership, confidence and authority that we needed. This was unlike many artists who I’ve worked for who are not leaders in this context, though they may well be amazing talents nonetheless.

George Small (Keyboards): There was one song where nothing was gelling, although I can’t remember the title of it. John took each of us aside and directed us individually. In about 10 or 15 minutes, he had everyone playing just what he wanted. He took the approach like he was fixing a machine or a watch and just tuned each one of us to the parts he wanted.

Jack Douglas (Producer): I knew instinctually how to make it work in the studio. My general philosophy about making records is sometimes you need to go in and write with the artist, like I did with Aerosmith. In other situations, you facilitate, from doing the budget to making sure the studio is booked to hiring all the musicians. Other times, you just have to gently guide the thing along. When you have a talent like John Lennon, do you need to get in his way? No. You just need to let it happen.

Lee DeCarlo (Engineer): Jack is a brilliant producer. John knew what he wanted and Jack helped him facilitate ideas. He was diplomatic. For example, if John had a nugget of an idea, Jack would go away for a day or two and he’d come back and say, “Remember that idea you had? Why don’t we try this?” Also if there was ever a disagreement, Jack was the tie-breaker.
Part of Lennon’s incisiveness in the studio came from the fact that he had labored over primitive demos for the songs that gave him a distinct picture of how the finished songs should sound, yet those demos also revealed both a certain insecurity and perfectionism:
Jack Douglas: He double-tracked because he hated the sound of his voice. And I used to tell him, “John, you don’t have to double.” These demos from Bermuda were recorded on a Panasonic boom box—it was just acoustic guitar on it, or in one case, piano on “Real Love” and him and Fred Seaman banging on pots and pans. He actually took the time to play those from one Panasonic to another one and double his vocal because he couldn’t bear that I would hear these things with a single vocal.
One anecdote regarding Lennon’s double-tracked vocals finds him in slightly pushy producer mode, yet there’s a hint of the famed mischievous young Beatle at work too:
Jon Smith (Assistant Engineer): One day, early in the project, as I was setting up in the studio, John and Yoko arrived early. Jack and Lee [DeCarlo] hadn’t arrived yet and John had an idea for a vocal part, a harmony part that he wanted to record. I loaded the multitrack tape and cued it up, but when we looked at the track sheet, there were no open tracks to put his part on. John said not to worry, there was an old trick they used to do on Beatle records. They would do an overdub on a track that already had something recorded on it, without erasing what was already there, but disconnecting the erase head from that track. The trick of it is to get the new recording at the right level so it’s balanced correctly with what’s already there, and we’d only get one shot at it so we’d have to get it right the first time. He told me he had faith in me and that he’d take full responsibility when Jack and Lee came. We decided to go right on to the lead vocal track that John had sung when cutting the song. He went out into the studio. We practiced it a few times to get the level right and then recorded it. When we played it back, it sounded great, and when Jack and Lee got there, we played it for them and they loved it.
Throughout the book, associates relay story after story of how Lennon’s analytical mind was always at work. More than once, people tell of complimenting him on a new track or perhaps noting that a certain Beatle song was their favorite, and Lennon never merely said “thanks;” instead he asked “Why do you think that?” in an effort to figure out what in his work resonated with others.

Over the course of Starting Over, Sharp skillfully takes the reader into the Hit Factory, observing the sessions like a fly on the wall. With plenty of period photos and copious insights from all involved, he serves up everything one could possibly want to know, from the name of the space-age guitar Lennon played through the sessions (a Sardonyx), to what his abandoned tracks recorded with Cheap Trick were like, to why Ahmet Ertegun was thrown out of the studio. While the narrative starts with Lennon and his cohorts attempting (in vain) to keep their recordings secret in case they flop, readers soon watch the ex-Beatle regain his confidence as the album begins to take shape. And if Lennon was experiencing doubts at the time, he didn’t allow his studio musicians to have any:
Tony Davilio (Arranger): I remember whenever Andy Newmark thought he made a mistake, he’d say “Uh-oh, they’re gonna get Russ Kunkel.” [Famed L.A. session drummer who worked with the likes of Bob Dylan, James Taylor, Crosby Stills And Nash, and Linda Ronstadt] He said it in a joking way. He must have said this about 50 times. After a few days of him saying this, John said, “G—dammit, Andy; if I wanted Russ Kunkel, I would’ve gotten him!” But in truth, Andy was the perfect drummer for the sessions.
From all the recollections in Starting Over, it’s clear that Lennon was a commanding presence, but also a man who created an upbeat, supportive vibe that encouraged everyone at hand to do their best.
Julie Last (Assistant Engineer): It was somewhat intimidating at first working with John. After all, he was a Beatle. But he was very easygoing and funny and so excited to be back in the studio after five years of being a “house husband.” His spirit was like a little kid in a candy shop. You just got swept up in his joy at being back to making a record again.”
Source:http://www.prosoundnetwork.com

Trabalho de Blake foi danificado, conselho pede para instalar réplicas/Blake artwork damage prompts council to install replicas


É a última série de ataques a pontos turísticos em Blackpool por pessoas que buscam metal.

A escultura do artista Sir Peter Blake, que projetou o Beatles "Sargent Pepper's, foi danificado depois que parte do metal foi rasgado.

A estátua estava no passeio marítimo da cidade, e seus restos estão agora armazenados.

A obra de arte chamada "Life as a Circus" foi encomendado pelo Conselho de Blackpool como parte de uma série de obras para o passeio.

Possui uma variedade ações de circo fundida em bronze em pé em cima uns dos outros, e celebra grande tradição do entretenimento do resort.

O conselho verá fotos antigas e desenhos originais de quando foi contratado para ver se Sir Peter poderia fazer peças de reposição adequadas.

Um segundo trabalho de Sir Peter Blake em Blackpool  é  um cavalo pulando um portão enquanto quatro pessoas se equilíbram em cima dos ombros uns dos outros. Este também foi movido para o armazenamento seguro.

Os danos à estátua de Blake seguem o roubo de três estátuas em Stanley Park, em julho, enquanto o chumbo foi despojado dos telhados das propriedades no resort que é atração da vila modelo.
It is the latest in a series of attacks on tourist attractions in Blackpool thought to be by people seeking metal.

The sculpture by artist Sir Peter Blake, who designed the Beatles' Sergeant Pepper sleeve, was damaged after part of it was ripped apart.

The statue was on the town's promenade, and its remains are now in storage.

The artwork called "Life as a Circus" was commissioned by Blackpool Council as part of a series of works for the promenade.

It features a variety of circus acts cast in bronze standing on top of each other, and celebrates the great entertainment tradition of the resort.

The council will be looking at old photos and original drawings from when it was commissioned to see whether Sir Peter could make suitable replacement pieces.

A second Sir Peter Blake work in Blackpool is of a horse jumping over a gate while four people balance on top of each other's shoulders. This has also been moved into secure storage.

The damage to the Blake statue follows the theft of three statues in Stanley Park in July, while lead was stripped from the roofs of properties in the resort's model village attraction.